Entrámos no parque de estacionamento de Madonna

Madonna fez contrato similar a mais de 20 que há na cidade, explica a autarquia. 720 euros/mês para arrumar carros nas Janelas Verdes, onde estacionar é um problema

Sobe-se a Calçada da Pampulha, percorre-se a Rua Presidente Arriaga e chega-se por fim à Rua das Janelas Verdes e percebe-se que estamos numa zona de Lisboa com um bem escasso: lugares de estacionamento, que qualquer desvio pelas ruas adjacentes mais reforça.

Qualquer nesga é uma boa nesga para parar o carro, como o pátio nas traseiras do Palácio Pombal, nas Janelas Verdes, que a Câmara Municipal de Lisboa cedeu a Madonna por 720 euros por mês - para a cantora americana poder aí arrumar as suas 15 viaturas.

Há mais de 20 contratos similares, avançou ao DN fonte do gabinete da presidência da autarquia lisboeta. No comunicado emitido pela CML refere-se que a "cedência" do espaço "está titulada por um contrato oneroso de cedência de utilização similar a dezenas de contratos efetuados pela autarquia" e que aquele mesmo "espaço foi usado até dezembro de 2017, com um contrato similar, pelo Instituto José de Figueiredo".

O Palácio Pombal é um edifício fechado, defronte de um enorme buraco na Rua das Janelas Verdes onde está a nascer de raiz um condomínio de luxo. A entrada para o pátio faz-se por uma rampa partilhada com a Embaixada do Luxemburgo e, junto à estreita Travessa de José António Pereira, entra-se então nas traseiras do palacete. O portão está aberto, lá dentro há quatro carros estacionados.

O contrato - hoje divulgado pela autarquia - estabelece que Madonna deve garantir "todas as condições de segurança do local, incluindo a permanência dos portões fechados e um sistema de abertura dos mesmos apenas para a entrada e saída das viaturas".

Em volta, o bem escasso que é o estacionamento está hoje ordenado pela EMEL: os dísticos da zona verde avisam do pagamento. No parque fronteiro ao Museu Nacional de Arte Antiga, quatro horas de estacionamento (o máximo permitido) são 3,20€. Há três lugares para carros elétricos, dois para deficientes e 14 para outras viaturas.

Nem todos se queixam. No Largo Dr. José de Figueiredo, no restaurante Riscas, o proprietário fala da cozinha: "Sempre tive lugar para estacionar", diz ao DN António Martins. "Não é fácil, há dias em que não é fácil", corrige a sua mulher, Beatriz, ao balcão. António explica-se: "Se não tenho lugar à porta, arranjo aqui à volta", referindo-se à Rua do Olival, à Rua Conde e às pequenas travessas onde se arrumam os carros. "Eu não me queixo", insiste o dono do Riscas.

A trabalhar ali há 40 anos, António e Beatriz dizem que, desde há coisa de um ano, a chegada da EMEL também facilitou. "Como não era pago, era difícil, agora arranjo sempre", mete a colherada um cliente, que parou à porta a ouvir a conversa enquanto fuma. "Nesta hora é mais difícil", junta António Martins. À noite, para quem ali mora é pior.

Na zona onde Madonna comprou dois ou três imóveis, o bairro é imagem da Lisboa dos anos mais recentes: muitos prédios e apartamentos à venda ou vendidos, outros em recuperação e reabilitação. No entroncamento da Rua do Olival com a Rua de S. Domingos, ao cimo das escadas, há uma entrada para um estaleiro de obras, paredes meias com as obras do tal condomínio da Rua das Janelas Verdes.

A autarquia defende o contrato assinado em 4 de janeiro deste ano com a cantora americana para "evitar estacionamento abusivo/desordenado" na rua do Museu de Arte Antiga, uma vez que Madonna - que vive no Palácio Ramalhete, um alojamento local, que não tem disponibilidade de reserva para os próximos meses - comprou "outros imóveis na zona envolvente", que "deverão entrar brevemente em obra".

Por ali passam muitos turistas, há homens nas obras, as duas lojas junto ao palácio encerram às segundas e os dois merceeiros do subcontinente indiano limitam-se a sorrir à reportagem do DN. A música que se ouve é de Bollywood.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)