Nova praça de Espanha vai custar seis milhões de euros

A Câmara de Lisboa discute na próxima quinta-feira (dia 14) uma proposta para lançar a empreitada do projeto da praça de Espanha, envolvendo a reconfiguração viária e espaços verdes, no valor de mais de 6 milhões de euros.

O vereador do Urbanismo, Manuel Salgado (PS), vai apresentar uma proposta para que o executivo municipal aprove a empreitada para a "rede viária e espaços exteriores da praça de Espanha", com um preço base de 6 milhões e 637 mil euros, com um prazo de dez meses para a execução da obra, mais um ano de manutenção de espaços verdes.

De acordo com a proposta, a "nova rede viária e do espaço público que a enquadra constitui um elemento essencial da requalificação urbana da área de intervenção, que terá como expoente máximo a execução do novo Parque Urbano da Praça de Espanha".

A autarquia promoveu um concurso público internacional para a requalificação daquela zona a que concorreram nove projetos e o vencedor será apresentado na segunda-feira, pelo presidente da Câmara, Fernando Medina (PS), e pelo vereador do Urbanismo, numa sessão pública na Fundação Calouste Gulbenkian.

O ateliê NPK - Arquitetos Paisagistas Associados venceu o concurso, avançou a revista Time Out, num projeto que enfatiza a continuidade entre a praça de Espanha e o Jardim da Gulbenkian, incluindo uma ponte pedonal a ligar os dois espaços.

O vereador do Urbanismo enunciou à Lusa em 2017 a intenção de "libertar várias áreas cobertas de alcatrão" da praça para um parque urbano. "Foram feitos os estudos de tráfego que mostram que é possível libertar várias áreas que hoje estão cobertas de alcatrão e tornar utilizável este espaço ao qual as pessoas não acedem, porque há tanta rua, tanto carro a passar e organizado de tal maneira que a zona verde do meio mesmo junto ao arco, onde estão as árvores, as pessoas não vão lá, têm medo de atravessar e chegarem ao centro da atual Praça de Espanha", declarou na altura Manuel Salgado.

O parque urbano deverá ter "dimensão superior a duas vezes o Jardim da Estrela", de acordo com informação do presidente da Câmara, em 2016. Este projeto insere-se na intenção de Fernando Medina de dotar a capital de mais 80 mil árvores e mais áreas verdes até ao final do mandato, em 2021, sendo que em 2020 Lisboa será a 'capital verde europeia'.

Quando foi aberto o concurso de ideias definiu-se que o parque urbano contemplaria zonas de estadia, esplanadas e equipamentos desportivos e que terá uma área de cerca de 45 mil metros quadrados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.