Concorrência investiga concurso da Câmara de Lisboa

Concurso que deu exclusivo da publicidade da capital à JC Decaux foi contestado por quase todos os concorrentes. Associação Portuguesa de Anunciantes avançou para Autoridade da Concorrência.

A Autoridade da Concorrência (AdC) confirma que vai abrir investigação à forma como foi conduzido e como terminou o concurso para a publicidade através do qual a câmara liderada por Fernando Medina entregou toda a publicidade da cidade à JC Decaux - a mesma empresa que detinha a concessão dos outdoors.

"A AdC confirma que está a investigar, no sentido de apurar se a atribuição do concurso à JC Decaux consubstancia uma operação de concentração de notificação obrigatória à Concorrência", esclareceu a entidade, contactada pelo DN.

O concurso, que determina quem irá explorar toda a publicidade outdoor da cidade nos próximos 15 anos, foi polémico do princípio ao fim e contestado durante todas as fases, tendo arrancado com quase dois anos de atraso e tendo-se mesmo chegado a indicar um vencedor diferente numa primeira fase.

A investigação surge na sequência da formalização de posição da Associação Portuguesa de Anunciantes, que considera que a "adjudicação à JC Decaux deveria ter sido notificada previamente à Concorrência para aprovação e a tentativa de concretização do contrato por parte da CML é ilegal". Nesse contexto, a associação avançou para a AdC, que abrirá uma investigação à atuação da CML e da JC Decaux.

"A concessão do espaço publicitário exterior em Lisboa à JC Decaux constitui uma operação de concentração e está, por isso, sujeita a notificação e aprovação prévia por parte da AdC. Qualquer ato no sentido da sua implementação antes de a AdC se pronunciar viola lei", defende aquela associação, que sublinha ainda que a dimensão e o valor do mercado publicitário em Lisboa face ao todo nacional se traduz num "monopólio em Lisboa" e que quem ganha essa fatia fica com todas as condições para se alavancar e estender ao resto do país. "A maioria dos anunciantes não se pode dar ao luxo de prescindir de Lisboa, pelo que quem tem Lisboa tem o resto do país", afirma Manuela Botelho, secretária-geral da APAN.

Manuela Botelho explica mesmo que a associação já "em 2015 tinha expressado as suas preocupações junto da AdC sobre o mercado da publicidade exterior no município de Lisboa aquando da tentativa de compra da Cemusa pela JCDecaux. Os problemas concorrenciais que expressou naquela data voltam a colocar-se, só que agora em resultado de um concurso público organizado pela CML".

Defendendo que "a CML optou por ignorar o mercado, os anunciantes e os consumidores", Manuela Botelho lembra que o modelo winner takes all cria um "monopolista com todas as condições para prejudicar o mercado, reduzindo a oferta de posições e aumentando os preços", o que acabará por ser repercutido nos consumidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.