Concorrência investiga concurso da Câmara de Lisboa

Concurso que deu exclusivo da publicidade da capital à JC Decaux foi contestado por quase todos os concorrentes. Associação Portuguesa de Anunciantes avançou para Autoridade da Concorrência.

A Autoridade da Concorrência (AdC) confirma que vai abrir investigação à forma como foi conduzido e como terminou o concurso para a publicidade através do qual a câmara liderada por Fernando Medina entregou toda a publicidade da cidade à JC Decaux - a mesma empresa que detinha a concessão dos outdoors.

"A AdC confirma que está a investigar, no sentido de apurar se a atribuição do concurso à JC Decaux consubstancia uma operação de concentração de notificação obrigatória à Concorrência", esclareceu a entidade, contactada pelo DN.

O concurso, que determina quem irá explorar toda a publicidade outdoor da cidade nos próximos 15 anos, foi polémico do princípio ao fim e contestado durante todas as fases, tendo arrancado com quase dois anos de atraso e tendo-se mesmo chegado a indicar um vencedor diferente numa primeira fase.

A investigação surge na sequência da formalização de posição da Associação Portuguesa de Anunciantes, que considera que a "adjudicação à JC Decaux deveria ter sido notificada previamente à Concorrência para aprovação e a tentativa de concretização do contrato por parte da CML é ilegal". Nesse contexto, a associação avançou para a AdC, que abrirá uma investigação à atuação da CML e da JC Decaux.

"A concessão do espaço publicitário exterior em Lisboa à JC Decaux constitui uma operação de concentração e está, por isso, sujeita a notificação e aprovação prévia por parte da AdC. Qualquer ato no sentido da sua implementação antes de a AdC se pronunciar viola lei", defende aquela associação, que sublinha ainda que a dimensão e o valor do mercado publicitário em Lisboa face ao todo nacional se traduz num "monopólio em Lisboa" e que quem ganha essa fatia fica com todas as condições para se alavancar e estender ao resto do país. "A maioria dos anunciantes não se pode dar ao luxo de prescindir de Lisboa, pelo que quem tem Lisboa tem o resto do país", afirma Manuela Botelho, secretária-geral da APAN.

Manuela Botelho explica mesmo que a associação já "em 2015 tinha expressado as suas preocupações junto da AdC sobre o mercado da publicidade exterior no município de Lisboa aquando da tentativa de compra da Cemusa pela JCDecaux. Os problemas concorrenciais que expressou naquela data voltam a colocar-se, só que agora em resultado de um concurso público organizado pela CML".

Defendendo que "a CML optou por ignorar o mercado, os anunciantes e os consumidores", Manuela Botelho lembra que o modelo winner takes all cria um "monopolista com todas as condições para prejudicar o mercado, reduzindo a oferta de posições e aumentando os preços", o que acabará por ser repercutido nos consumidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.