"As notícias são falsas, isto é um absurdo." Catarina defende Robles

A coordenadora do BE atacou a imprensa na defesa do vereador do BE em Lisboa.

A coordenadora do Bloco de Esquerda falou no acampamento de jovens do Bloco para defender o vereador Ricardo Robles no caso do prédio em Alfama.

Catarina Martins disse que o vereador "já explicou a situação familiar, explicou tudo o que tinha a a explicar". Disse ainda que não houve especulação imobiliária - uma das bandeiras do BE em Lisboa - porque o prédio não foi vendido. E que os jornais deram "manchetes falsas ontem, que hoje outros repetem".

A coordenadora apoiou Robles dizendo que "fez bem em prestar os esclarecimentos". Ricardo Robles desmentiu a notícia de que tenha comprado um apartamento em Lisboa, que vem hoje no Sol. "As notícias são falsas, é um absurdo", disse.

"Não houve nenhuma mais-valia, não houve nenhum lucro", acrescentou.

"Gostava de perguntar aos jornalistas que respeitamos e por que lutamos, se se sentem bem por haver uma manchete dizer que ganhou milhões", quando ontem isso foi desmentido.

"Robles tem mais dois apartamentos em Lisboa" é a manchete da edição deste sábado do Sol.

Ontem, a notícia revelada pelo Jornal Económico sobre a compra e reconversão do imóvel de Alfama foi titulada "Vereador do Bloco ganha milhões com prédio em Alfama".

A origem da controvérsia está na notícia do semanário económico, que revela que em 2014 o vereador adquiriu um prédio em Alfama por 347 mil euros, que foi reabilitado e posto à venda em 2017 avaliado em 5,7 milhões de euros.

Na sequência desta publicação, a concelhia de Lisboa do PSD pediu a demissão do bloquista, acusando-o de "falta de ética, seriedade e credibilidade política".

Em conferência de imprensa realizada no fim do dia, Ricardo Robles reiterou que a avaliação do prédio "foi feita por uma agência imobiliária, que o teve à venda por seis meses até abril" e que "desde então, o imóvel não está a venda". Afirmou que a compra "não foi uma operação especulativa" e que nada na sua conduta foi "reprovável".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.