Cidadãos ameaçam com protesto na rua contra megaprojeto de Entrecampos

Os investidores tinham até esta quinta-feira para apresentar propostas de compra da antiga Feira Popular, um dia antes da hasta pública. Cidadãos movimentam-se contra a pressa na concretização de um megaprojeto e avançam com petição e carta a Fernando Medina.

Os cidadãos que promoveram e assinaram uma petição que pede a "interrupção da Operação Integrada de Entrecampos" para haver uma "verdadeira discussão pública" sobre o assunto escreveram uma carta ao presidente da câmara de Lisboa com dúvidas e críticas ao projeto. Os peticionários admitem mesmo protestar na rua ou até recorrer à Justiça contra o avanço do projeto, segundo o Público .

"Não podemos deixar de lhe dizer que estamos a equacionar todos os cenários, e com a disposição de sairmos à rua, povo de Lisboa que somos, avançando com ação popular que nos mobilizará e a muitos mais. Podemos assegurar-lho, sr. presidente. Porque depois da política, chegou a hora dos lisboetas; o tempo da luta do povo!", lê-se na missiva que seguiu quarta-feira para os Paços do Concelho, segundo mesmo jornal.

Na petição, que foi entregue em julho à assembleia municipal, estes cidadãos afirmam: "porque conhecem e reconhecem a importância, dimensão e localização da presente operação, os signatários não se conformam com a inexistência uma proposta concreta para aqueles terrenos a que a Câmara se vincule e com uma descrição detalhada do respetivo impacto, incluindo um relatório ambiental. A Câmara disponibilizou simplesmente documentação não vinculativa para si e que como refere tem «natureza meramente indicativa»; incluindo umas Propostas de Orientações Estratégicas".

Referem que a Câmara não permitiu aos interessados participarem na discussão pública e levantam um vastíssimo conjunto de questões sobre os riscos de construção naqueles terrenos e sobre os impactos ambientais de um megaprojeto, seja a nível ambiental seja ao nível dos transportes.

A petição não deverá travar a venda dos terrenos, já que está para esta sexta-feira a hasta pública dos lotes que, a correr como a câmara prevê, será o primeiro passo para a Operação Integrada de Entrecampos que os 282 peticionários queriam ver discutida.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.