Refrescantes e doces, fazem a alegria dos mais pequenos

Da família das rosas, as cerejas são conhecidas por serem brincos de princesa nas mais diversas brincadeiras de criança.

A cerejeira é uma planta cujo cultivo deve ser realizado em regiões frias, visto que os cultivares mais importantes necessitam de 800 a 1000 horas de frio para produzirem satisfatoriamente. Como ideais, são consideradas as áreas de cultivo com invernos frios e chuvosos e verões secos e amenos.

Produção de cereja
A Europa é responsável por quase metade da produção mundial, destacando-se como principais produtores, na União Europeia, a Alemanha e a Itália e, fora da UE, a Ucrânia e a Rússia. Na Ásia produz-se 35% da cereja, a nível mundial, sendo a Turquia e o Irão os maiores produtores. Os Estados Unidos têm um peso de 14%, sendo praticamente o único país produtor da América do Norte e Central. O leque de variedades de cerejeira é enorme. Dentro das variedades com tradição de cultivo em Portugal, destacam-se, como mais importantes, as de Saco da Cova da Beira e Saco do Douro. Recentemente são comercializadas novas variedades de polpa mais resistente e sabor doce.

Vantagens do consumo de cereja
Para além do seu valor histórico e cultural no nosso país, o consumo de cereja pode ter efeitos benéficos para a saúde, tendo sido cientificamente demonstrados, e de forma muito consistente, os seus efeitos anti-inflamatório e antioxidante, o que poderá permitir a este pequeno fruto coadjuvar no combate e progressão de algumas doenças inflamatórias crónicas e de lesões desportivas. Simultaneamente, o consumo de cerejas tem vindo a ser associado à melhor capacidade de recuperação muscular após a prática de exercício físico, nomeadamente pelo seu conteúdo em compostos com propriedades antioxidantes, como as antocianinas, a quercetina e alguma vitamina C. Pela presença de melatonina na sua composição, o consumo de cerejas tem vindo a ser estudado e caracterizado como benéfico na manutenção de um sono regular em indivíduos saudáveis, podendo, inclusive, contribuir para atenuar alguns distúrbios do sono.


Além disso, a cereja é um fruto muitas vezes utilizado na confeção de doces, bolos e compotas. Contudo, para se usufruir de forma plena de todos os benefícios que esta proporciona à nossa saúde, deve consumir-se tal qual a encontra na secção de frutas da sua loja Continente: fresca, de polpa macia e suculenta, a cereja é o fruto ideal para adoçar os dias quentes de verão. E com a cuidada seleção do Continente, pode ter a certeza de contar com as melhores cerejas para se deliciar e refrescar durante o verão.

Benefício
A cereja apresenta um conteúdo elevado em compostos com poderes antioxidante e anti-inflamatório, cuja concentração aumenta com o amadurecimento do fruto. O índice glicémico da cereja é baixo e este pequeno fruto é fonte de fibra. Estas duas características contribuem para uma entrada gradual do açúcar no sangue, ajudando-o a sentir-se saciado por mais tempo. Para além de ser um fruto rico em água e com baixo valor energético, as cerejas contêm uma hormona que ajuda a regular os ciclos de sono, para que possa adormecer facilmente.

Valor Nutricional (por cada 100g)
67 kcal
1,6 g de fibra

Como conservar
O ideal é manter as cerejas no frigorífico, em pequenas porções, num recipiente de plástico, sem as cobrir. No máximo, conservam-se durante uma semana.

Como consumir
Ao natural é a forma mais convencional de comer este fruto, mas é também muitas vezes integrado em doces ou sobremesas deliciosas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.