Como vamos deslocar-nos no futuro?

A ideia de entrar num veículo e deixar que ele faça o resto pode estar mais perto do que imagina. Porém, como diz o mestre do design automóvel, o futuro é sempre uma surpresa

Já imaginou se conseguisse chegar ao trabalho em meros segundos? E se o seu carro, ao mesmo tempo, fosse uma espécie de híbrido que pudesse andar na estrada, no mar e no ar? Já imaginou como seria se não precisasse sequer de ser conduzido?

Para dissipar a sua inquietação, dizemos-lhe, na esperança que memorize este termo e o seu significado. Semovente é aquele que se move por si mesmo e pode bem ser a definição do carro do futuro. Mas já imaginou esta ideia levada ao extremo? Um carro que não precisa da sua ação para se movimentar? Um veículo que voa e é comandado remotamente por comando de drone?

A ideia de um céu sobrevoado por milhares de robots-automóveis pode ser infernal. Mas talvez não corresponda exatamente ao carro do futuro que, apesar de estar muito próximo de nós, é ainda, difícil de definir com exatidão.

Apesar da dificuldade em prever o modo como nos deslocaremos futuramente, Giorgetto Giugiaro, a lenda do mundo automóvel, fundador da sua própria empresa de design automóvel, Italdesign - que tem no currículo projetos como o Volkswagen Golf, o Seat Ibiza ou o Renault 21 e vários modelos da Lamborghini ou da Bugatti -, continua não só a desenhar carros mas também a supor cautelosamente - a nosso ver, com genialidade - as características do automóvel do futuro.

E porque desde o plano das ideias até à sua concretização vai um longo caminho, a sua conceção do que deve ser um veículo implica a conjugação da matemática e medições - em suma, da funcionalidade - com a magia do design. Não é fácil criar um veículo que conjugue harmoniosamente ambas as características.

O futuro tem sempre um certo grau de imprevisibilidade. Afinal, o carro que foi imaginado há 100 anos e que era considerado o futuro, nada tem que ver com os modelos atuais.

No entanto, tendo em conta que sempre houve, ao longo dos anos, evolução no mundo automóvel, Giugiaro acredita que ainda temos grandes mudanças para ver no design futurista e na construção de carros, nos próximos anos. Daí Giugiaro rir quando no seu meio de trabalho ouve alguém dizer presunçosamente que "chegou lá" - na verdade, haverá sempre caminhos para trilhar no meio de design do automóvel ou do futuro semovente.

Em destaque no Vodafone Future, pode ver o vídeo da entrevista ao célebre desenhador italiano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.