As cores da festa, cheias de sabor!

O pimento é um legume muito viajado. Ao longo de anos amadureceu, adquiriu sabores que nos encantam e cores que deslumbram qualquer mesa

Apresentar o pimento requer referir a sua família, de seu nome Solanaceae. A beringela e o tomate são também dois dos seus parentes. Porém, há características únicas que tornam este vegetal multicolor um "primo" distante dos outros. A sua mudança de cor assinala o lado camaleónico deste vegetal. Na verdade, a passagem de uma cor à outra reflete o seu período de amadurecimento. A cor verde mostra que ainda se encontra imaturo, um jovem, ainda "verdinho", em período de crescimento. Mas, à medida que vai amadurecendo, a sua cor altera-se para vermelho, amarelo ou laranja, dependendo de cada variedade - e aí, sim, o pimento atinge o auge da sua maturidade. Se for colhido antes de amadurecer, o pimento verde apresenta um sabor mais ácido, diferente dos outros que, por serem maduros, já possuem um sabor mais suave e levemente adocicado.

Viajado e ancião

Inicialmente, quando ainda era um rebento, o pimento teve origem na América do Sul, América Central e América do Norte, acabando por se espalhar por todo o mundo, graças às viagens marítimas. Trata-se de uma espécie originária da região do Peru-Bolívia, onde era cultivado há mais de 7000 anos, tendo-se expandido para a América Central. Desde aí o México passa a ser o centro de diversificação da espécie.

As primeiras plantas do pimento, de seu nome Capsicum, foram trazidas por Cristóvão Colombo para Espanha, a partir de onde se dispersou pelo Velho Mundo, por volta de 1493. Mas as odisseias do pimento não ficam por aqui. No século XVI, o seu cultivo já estava difundido por toda a Espanha. Desde esse momento é distribuído para o resto da Europa e do mundo, com a colaboração dos lusitanos. A sua expansão por vários territórios deu origem a novas correntes culinárias, alterou até as culturas de outros continentes de certa forma, adicionando um nível de sabor - e vários benefícios para a saúde - em países longínquos.

O pimento é, sem dúvida, marcante. Mesmo se reduzido a pó ou transformado numa massa, continua a marcar pelo seu sabor forte, dando origem a temperos que são encontrados - e se tornam eixos fundamentais - não só na culinária portuguesa, mas de toda a região ibérica.

Charme natural, saboroso e saudável

O pimento pode ser também um excelente snack se consumido cru. E graças às suas características organoléticas, é dono de um charme natural que o faz dispensar grandes condimentos para ser delicioso. No entanto, a forma mais comum e tradicional de comer pimentos no nosso país continua a ser passando-os pelas brasas, tornando-os companheiros inseparáveis da bela sardinha. É importante lembrar - e os estômagos mais sensíveis vão agradecer - que a pele deve ser retirada para uma digestão mais fácil. Não lhe chegando ser belo, intenso e cheio de cor, os dons do pimento vão muito além da pele. Este alimento oferece um escudo de proteção para o nosso corpo, pois é rico em vitamina C, que contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário, inclusivamente durante e após o exercício físico intenso, e protege as células contra oxidações indesejáveis. Esta vitamina ajuda ainda na formação de colagénio, uma proteína que participa no normal funcionamento dos vasos sanguíneos, ossos, cartilagens, gengivas, pele e dentes. Pela sua riqueza em fibra, o consumo do pimento poderá contribuir para a prevenção de alguns tipos de cancro, além de que o betacaroteno presente no pimento pode ajudar na manutenção da sua visão. Como vê, o pimento é vaidoso e quer que continue a apreciá-lo: em sabor - por dentro - e em beleza - por fora. E se acha que estamos a gabar em demasia o pimento, basta passar por uma loja Continente e comprovar por si mesmo todas as qualidades deste fantástico legume.

Benefícios

O pimento é um poderoso aliado na assimilação de ferro e utilização deste mineral pelo organismo. É ainda um alimento que, com um baixo valor energético e pela sua riqueza em fibra, ajuda a prolongar a sensação de saciedade. Contribui também para a normal produção de energia e para a redução do cansaço e fadiga.

Valores nutricionais (por cada 100g)

22 kcal

Vitaminas: A, C, E, B12

Minerais: K P Mg

Como conservar

Em embalagem aberta, o pimento deve ser conservado na gaveta inferior do frigorífico. Num cesto aberto conserva-se de 1 a 2 semanas.

Como consumir

Podem ser consumidos frescos ou cozinhados, verdes ou maduros. Outra opção a considerar são os pimentos em calda, guardados em frascos herméticos e esterilizados. Ferva-os, seque-os bem e depois coloque-os num frasco com vinagre, alhos esmagados e alguns grãos de pimenta, para se deliciar sempre que quiser e, sobretudo, quando estiver com preguiça de cozinhar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)