A Nova Iorque de Woody Allen, que vai querer tornar sua

Há uma cidade nos Estados Unidos onde os todos sonhos se concretizam. Uma cidade onde a promessa de sucesso, dinheiro, fama e felicidade eterna tem um aroma forte e enebriante.

Essa cidade é Nova Iorque, o destino de aspirantes a músicos, atores, cineastas e escritores - e o nosso, comuns mortais, que desejamos apenas pisar as ruas onde os nossos ídolos sonharam.

Se tanto desejamos viajar até Nova Iorque, é muito por culpa dos filmes de Hollywood. Comédias românticas, thrillers ou filmes de ação: não conseguimos contar pelos dedos quantas películas tiveram como pano de fundo o Empire State Building, o Plaza Hotel e até a Trump Tower. E se quiséssemos apontar responsáveis pela nossa obsessão em visitar NY, um dos primeiros nomes seria o de Woody Allen, um dos mais míticos e celebrados realizadores de sempre, nascido em Nova Iorque, e confesso fã da cidade. Dizem até que é impossível visitar a cidade sem o encontrar, a cruzar a 5th Avenue num dos seus rotineiros passeios.


Conhecer a cidade de Nova Iorque pelo olhar de Woody Allen é uma das formas mais curiosas de descobrir esta metrópole, até porque nos seus filmes estão os lugares mais românticos e interessantes da cidade. O que ninguém sabe responder é: se os cenários de Woody já eram apaixonantes antes ou se foram os seus filmes que os tornaram míticos. De qualquer maneira, vale a pena correr a cidade pelos pés de um dos mais famosos realizadores.

Começando de fora para dentro, entramos em Manhattan na Queensboro Bridge, famosa como o cenário das conversas dos protagonistas do filme "Manhattan" (1979), o próprio Woody Allen e a sua atriz-fetiche da época, Diane Keaton. No papel de Isaac e Mary, o casal passava noites a falar no banco do Sutton Place Park, na 57th Street, com vista para a ponte. Naquele parque encontra-se uma escultura de um javali, conhecida como Porcellino, que é uma réplica da obra de um artista renascentista, Pietro Tacca, cujo original se encontra em Florença.

Continuando pelo sul de Manhattan, chegamos ao Battery Park, de onde partem os barcos para a ilha da Estátua da Liberdade e para Staten Island. Já sabe de que filme vamos falar? Bem, o melhor será ler mais sobre a "Grande Maçã" e as dentadas de Woody Allen aqui e, pelo caminho, espreito todos os outros fantásticos destinos que lhe propomos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.