Xutos & Pontapés cantam "Alepo"

Nova música do grupo é um grito de preocupação e protesto contra o que se passa na cidade de Aleppo, na Síria.

O grupo Xutos & Pontapés apresentaram hoje uma nova canção, inspirada nas frases publicadas no Twitter por "Bana Alabebe", a rapariga que foi descrevendo nesta rede social o que se passava na cidade de Aleppo.

"A letra foi composta com as frases do Twitter que a Bana foi lá pondo e surge encastrada num tema que andávamos a desenvolver, com um refrão que me invadiu os ouvidos como um grito", explica Tim no press release da editora Sony Music. E acrescenta que o grupo está a trabalhar em temas novos e não exclui a hipótese de editar um novo álbum, mas para já aproveitou o dia em que celebra os seus 38 anos para mostrar Alepo.

O videoclipe deste tema foi realizado por Rui Lourenço e pela equipa da Popular Jump:

Esta é a letra:

"Aleppo
sei o que fazer,
sei o que dizer,
não tenho casa
ferido e com medo
não durmo há algum tempo
debaixo de fogo
sem abrigo
cada minuto parece a morte

- quero viver!

a neve cai
estou doente
não tenho água limpa
não tenho remédios
vai piorando
a cada hora que passa
vai matando
mais depressa do que uma do que uma bomba
Aleppo, Aleppo
cada minuto parece a morte

- quero viver, não quero morrer!

procuro abrigo entre os escombros
sombras trazem
feridos em ombros
e de repente
estala uma AK
vomita cápsulas enquanto mata
- quero viver, não quero morrer!

Aleppo, Aleppo
quando é que acaba a matança
Aleppo, Aleppo
decapitaram até esperança
Aleppo, Aleppo
diz-me tu se fores capaz
Aleppo, Aleppo
como se canta pela paz"

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.