Vhils inaugura primeira mostra individual em Hong Kong

Debris, de Alexandre Farto, que assina como Vhils, é inaugurada hoje. Mas já há uma semana que está a circular um elétrico, intervencionado pelo artista, com assinatura do artista

A exposição Debris, de Alexandre Farto, que assina como Vhils, é inaugurada hoje, em Hong Kong, mas há uma semana que está a circular um elétrico, intervencionado pelo português, no âmbito da primeira exposição individual do artista naquele território.

Além do elétrico, o artista português também realizou intervenções em paredes, a convite da HOCA - Hong Kong Contemporary Art, como antecipações à inauguração da mostra, hoje, no Piers 4 (Cais 4).

Em Debris, que levou "meses de preparação", Vhils apresenta uma "multidisciplinaridade de trabalhos", de acordo com informação disponível no 'site' oficial do artista.

Com esta exposição, pretende-se "encorajar os visitantes a explorarem a cidade e refletirem na natureza do ambiente urbano pela lente do artista".

Nos trabalhos apresentados, Vhils desconstrói imagens com recurso a várias técnicas, como perfuração, colagens de cartazes, caixas de néon e escultura.

Alexandre Farto, 29 anos, captou a atenção a 'escavar' muros com retratos, um trabalho que tem sido reconhecido a nível nacional e internacional e que já o levou a vários cantos do mundo.

A técnica que notabilizou Vhils consiste em criar imagens, em paredes ou murais, através da remoção de camadas de materiais de construção, criando uma imagem em negativo. Além das paredes, já aplicou a mesma técnica em madeira, metal e papel, nomeadamente em cartazes que se vão acumulando nos muros das cidades.

Em julho de 2014, Alexandre Farto inaugurou a sua primeira grande exposição numa instituição nacional, o Museu da Eletricidade, em Lisboa. Dissecação/Dissection atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses.

Esse ano ficaria também marcado, na carreira do artista português, pela colaboração com a banda irlandesa U2, para quem criou um vídeo incluído no projeto visual Films of Innocence, que foi editado em dezembro de 2014, e é um complemento do álbum Songs of Innocence.

No ano passado, o trabalho de Vhils chegou ao espaço. Em setembro, uma obra do artista esteve na Estação Espacial Internacional (EEI), no âmbito do filme "O sentido da vida", do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Foi a primeira vez que um artista português colaborou com a Estação Espacial Internacional, com uma instalação artística que esteve colocada na cúpula da EEI e que retrata o astronauta dinamarquês Andreas Mogensen.

Apesar de trabalhar e expor em todo o mundo, e até fora dele, Alexandre Farto não se esquece de Portugal.

Em 2015, criou, entre outros, o rosto de Amália Rodrigues, em calçada portuguesa, em Alfama, Lisboa, e um olho na parede de um prédio da Quinta do Mocho, em Sacavém, Loures, no âmbito do projeto de recuperação daquele aglomerado habitacional "O Bairro i o Mundo".

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.