Túmulo de D. Dinis está em limpezas

A Direção Geral do Património Cultural (DGPC), a Câmara Municipal de Odivelas e Colégio Militar estão a restaurar o túmulo de D. Dinis, no Mosteiro de Odivelas.

"A DGPC está a promover uma ação de limpeza e consolidação de dois túmulos existentes no Mosteiro de S. Dinis de Odivelas - o túmulo de D. Dinis e o túmulo do Infante D. Dinis", informou hoje aquela entidade. Os trabalhos de conservação começaram a 23 de novembro e têm um prazo de execução de 30 dias.

D. Dinis morreu em 7 de Janeiro de 1325, em Santarém. "Para que se cumprisse a disposição do último testamento datado de 1322, onde o monarca expressava a intenção de ser tumulado no mosteiro de Odivelas que fundara anos antes, em 1295, "antre o coro e a ousia maior", o corpo do monarca terá sido embalsamado, envolto num pano brocado e posto num ataúde. O cortejo fúnebre percorreu a planície ribatejana ao som do repique dos sinos das igrejas e mosteiros das povoações por onde passavam. No Mosteiro de Odivelas esperavam-no o Cabido da Sé, as Ordens, a Câmara da cidade e 80 monjas da comunidade cisterciense, com tochas acesas", refere a DGPC.

"O túmulo sofreu, ao longo dos tempos, várias alterações e transformações na sua forma, provocadas quer por causas naturais, como o terramoto de 1755, quer por outras que se prendem com a ação humana. As diversas trasladações e os sucessivos restauros realizados nos séculos XIX e XX terão contribuído também, e paradoxalmente, para a sua deterioração, chegando aos nossos tempos com uma imagem desvirtuada e extremamente desvalorizada", explicita o comunicado.

As obras de limpeza e restauro estão a cargo da empresa K4, gestão de Património, Lda.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.