Três curtas portuguesas em Berlim

Há um trio luso entre 25 filmes em competição

Os filmes "Balada de um batráquio", de Leonor Teles, e "Freud und Friends", de Gabriel Abrantes, foram selecionados para a competição de curtas-metragens do festival de cinema de Berlim, foi hoje anunciado.

A direção do festival revelou a seleção de 25 curtas-metragens, de 21 países, entre as quais "Balada de um batráquio", filme no qual Leonor Teles volta a abordar as raízes de etnia cigana, e "Freud und Friends", de Gabriel Abrantes, um dos segmentos do filme coletivo "Aqui, em Lisboa", produzido pelo IndieLisboa.

Os filmes são candidatos ao Urso de Ouro, o prémio conquistado em 2012 por João Salaviza com "Rafa".

As duas curtas-metragens surgem na competição através da Portugal Film, a recém-criada agência de internacionalização do cinema português.

A Portugal Film revelou hoje que no programa "Forum Expanded" do festival de Berlim estará "L'oiseau de la nuit", de Marie Losier, um retrato onírico do travesti Deborah Kristal, encarnado por Fernando Santos. A curta-metragem é outro dos segmentos de "Aqui, em Lisboa".

O Festival Internacional de Cinema de Berlim decorrerá de 11 a 21 de fevereiro e a programação completa será anunciada a 02 do mesmo mês.

Na segunda-feira, a organização anunciou algumas das longas-metragens que estarão em competição, entre as quais "Cartas de guerra", de Ivo M. Ferreira, a partir de cartas que o romancista António Lobo Antunes escreveu quando esteve na guerrra coloniall.

A abertura oficial ficará por conta de "Hail, Caesar!", filme dos irmãos Ethan e Joel Coen.

O júri será presidido pela atriz norte-americana Meryl Streep.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.