Três alunos portugueses em duas das melhores escolas do mundo

Diana Faria, Filipa Tenreiro e João Pedro Freitas têm dez anos. Em julho, a primeira fará o seu estágio de verão na escola de dança da Ópera de Paris e, os dois, no Royal Ballet, em Londres

São alunos da bracarense Ent'Artes - Escola de Dança, os três têm dez anos e, em julho, rumam a duas das melhores escolas de dança do mundo.

Diana Faria estará no estágio de verão da École de Danse de l'Opéra National de Paris e João Pedro Freitas e Filipa Tenreiro estarão no Royal Ballet, em Londres.

Selecionados por audição, os três estudantes têm aulas de dança segunda a sábado. Disciplinas como ballet clássico, dança contemporânea, condicionamento físico, repertório ou barra de chão ocupam o tempo que se segue à escola.

Os estágios de verão têm a duração de cerca de uma semana. Neles estarão Diana que, segundo a professora Diana Sá Carneiro, faz dança "intensiva há três anos", Filipa, que dança "há 14 meses, por incrível que pareça" e João Pedro, que está na escola há um ano e meio.

Na escola escola de dança da Ópera de Paris, onde estará Diana Faria, está também Diogo Oliveira, jovem bailarino, o primeiro português naquela instituição. Convidado pela própria diretora, Elisabeth Platel, para ser bolseiro durante dois anos, o bailarino do Porto já tinha sido bolseiro do American School of Ballet em 2013.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.