Tesnota é o melhor filme do LEFFEST

O filme "Tesnota", do jovem realizador russo Kantemir Balagov, venceu o Prémio de Melhor Filme Jaeger-Lecoultre do Lisbon & Sintra Film Festival (LEFFEST), foi hoje anunciado, em Lisboa.

O palmarés do certame foi anunciado numa cerimónia no Teatro Nacional D. Maria II, tendo o júri da seleção oficial em competição, presidido por David Cronenberg, integrado ainda Ildikó Enyedi, Mónica Calle, Hanan Al-Shaykh, Momo Kodama e Ersi Sotiropoulos.

O filme "Tesnota", que participou no Festival de Cinema de Cannes deste ano na secção Un Certain Regard, decorre em 1998 no norte do Cáucaso russo.

Nesta sua primeira longa-metragem, Kantemir Balagov filmou uma narrativa baseada na história real de um jovem e da namorada, que foram raptados, e cuja liberdade depende do pagamento de um resgate.

O filme, que reflete sobre os laços de família, as diferenças culturais e as relações interpessoais, será exibido no domingo, às 21:15, na Sala 1 do Cinema Medeias Monumental, em Lisboa.

O Prémio Especial do Júri João Benard da Costa foi atribuído a "Cocote", do realizador dominicano Nelson Carlo de Los Santos Arias, que será exibido no mesmo dia, sala e cinema, às 18:30.

Este filme, que já passou por vários festivais, nomeadamente em Toronto, aborda a violência, corrupção e conflitos sociais na República Dominicana, através da história do regresso de um jardineiro que regressa à pátria para vingar o assassinato do pai.

O Prémio Revelação TAP foi atribuído à atriz Olga Dragunova, do filme "Testona", e o Prémio do Público NOS coube a "Chama-me pelo teu nome", de Luca Guadagnino, que será exibido no domingo, às 19:30, nos Cinemas NOS Amoreiras, em Lisboa.

Este filme narra a intensa atração entre um jovem de 17 anos, que passa os dias de verão na casa de campo dos seus pais, uma mansão do século XVII, a ouvir música, a ler e a nadar, e o novo assistente do pai, também jovem e belo.

O vencedor do Encontro Internacional de Escolas de Cinema foi "A man, my son", de Florent Gouëlou, aluno da escola La Femis, em Paris, França, e que será exibido no domingo, 21:15, na Sala 1 do Cinema Medeias Monumental.

Iniciada a 17 de novembro, a edição deste ano do LEFFEST apresentou várias antestreias nacionais e dezenas de filmes dedicados, por exemplo, a Isabelle Huppert, Abel Ferrara ou Alain Tanner.

O festival repartiu-se entre Lisboa e Sintra, também com teatro, artes plásticas e música.

A atriz francesa Isabelle Huppert, que esteve em Portugal, foi a grande homenageada deste ano, com a exibição de mais de uma dezena de filmes que protagonizou e com uma exposição de fotografia que lhe é dedicada, em Sintra.

O realizador Abel Ferrara esteve no festival por causa de uma retrospetiva que irá ser exibida e que inclui o mais recente filme, o documentário "Piazza Vittorio".

Os realizadores portugueses João Mário Grilo e José Vieira - cineasta que tem filmado a emigração portuguesa em França -, o francês Alain Tanner, e o artista plástico Julian Schnabel também tiveram a obra revista no festival.

Decorreram várias antestreias, como "I love you Daddy", de Louis C.K. - embora a exibição internacional tenha sido cancelada por causa de um escândalo sexual do humorista -, "Wonder Wheel", de Woody Allen, e "On body and soul", de Ildikó Enyedi.

Na competição, também estiveram os filmes "Les gardiennes", de Xavier Beauvois, "Frost", de Sharunas Bartas, "Western", de Valeska Grisebach, "Verão danado", de Pedro Cabeleira, e "Lucky", de John Carroll Lynch.

Robert Pattinson, Willem Dafoe, Sara Driver, Mathieu Amalric e o escritor Don Delillo são outros dos nomes que estiveram presentes no festival.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.