Terry Gilliam: "Os enfartes já não são o que eram"

Apesar da controvérsia, o seu Quixote mereceu a simpatia na red carpet, onde a portuguesa Joana Ribeiro foi o ai-jesus dos fotógrafos

Foi o rei de Cannes na sua despedida. O já controverso O Homem que Matou Dom Quixote, de Terry Gilliam, fechou o festival e o DN falou com o realizador, cada vez mais personagem mítica...

Está aliviado por finalmente O Homem que Matou Dom Quixote ter dado à luz?

Sim, é ótimo. Dediquei-me a este filme 25 anos. Tenho o recorde e agora quero ver se algum cineasta consegue ultrapassar-me! [risos] Tivemos um final de conto de fadas, sobretudo com esta vinda a Cannes. Antes não vivemos um pesadelo, apenas uma viagem dura. Quer dizer, agora para o fim foi mesmo um pesadelo. O curioso é que acabámos por ser convidados para o "baile". Claro que não sei se o Paulo Branco está lixado. Não o vejo há muito... Minto: vi-o no outro dia no tribunal a passar, com aquele seu ar...

A sua saúde parece que também não queria que viesse a Cannes...

Os enfartes já não são o que eram.

Mas agora vai ser difícil deixar para trás este cavaleiro da triste figura?

Depois de me despachar da imprensa largo este filme, a sério. Mas ainda tenho uns meses na estrada de promoção. É maravilhoso deixar para trás um filme, assemelha-se muito àquela sensação de ter um filho e deixá-lo seguir o seu caminho por ser bonito. E este não é aquele filme que comecei a fazer há muitos anos, é muito melhor!

Como chegou à atriz Joana Ribeiro?

Convidei-a para ir para o meu quarto de hotel. Estou a brincar. Reunir o elenco foi muito interessante. Esta é uma coprodução entre Portugal, Inglaterra e Espanha. Logo, a ideia era ter atores portugueses e espanhóis. Para o papel da Angélica procurei atrizes portuguesas. Lembro-me de conhecer a Joana enquanto tomava um café e percebi logo que tinha de ser ela. Estava à procura de uma atriz latina para o papel... A Joana, como era portuguesa, não nos custou tanto, não tivemos de a transportar.

Foi a única atriz portuguesa que lhe interessou?

Vou ser franco: estavam a impingir-me outras, especialmente o Paulo, de forma muito firme. Houve uma pessoa que trabalhava para o Paulo que me disse que eu tinha de conhecer a Joana... Achei-a um animal! Bastou mesmo esse pequeno encontro de uma hora para saber que tinha de ser a Joana. Às vezes, sinto-me muito orgulhoso dos meus instintos, sobretudo no que toca a escolher atores... Diziam-me que ela não tinha experiência mas não quis saber. Gostei mesmo da Joana, percebi que era esperta e que tinha fogo. Com a Joana conseguia conversar. Uma atriz que tinha ideias próprias.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG