Simpósio para desenhar o Porto esgotou em hora e meia

As 600 inscrições para participar no Simpósio Internacional dos Urban Sketchers, que se realiza em julho no Porto, esgotaram em hora e meia.

"Vai ser o maior encontro até hoje e estou convencido de que vai ser o melhor". Nelson Paciência, presidente dos Urban Sketchers Portugal, confirma ao DN que as 600 vagas para participar no Simpósio Internacional, que se realiza no Porto de 18 a 21 de julho, esgotaram-se em hora e meia, e há lista de espera.

"Estou muito contente. Não me espantou, achava que isto ia acontecer", diz. Entre as 20 nacionalidades representadas, dominam os norte-americanos (160), seguidos dos espanhóis. Portugueses são 35, adiantou Nelson Paciência.

Depois de Lisboa ter acolhido o simpósio internacional de 2011, a Alfândega do Porto é o epicentro desta edição, a segunda que decorre em Portugal. Será aqui o ponto de encontro matinal para os workshops diários e o local onde, ao fim do dia, decorrem as conferências e outras iniciativas. A organização, adianta, vai envolver mais de duas dezenas de voluntários para dar apoio aos participantes nesta descoberta desenhada da cidade.

Os Urban Sketchers são uma comunidade mundial que partilha o interesse pelo desenho in situ. Serão mais de 80 mil em todo o mundo, cerca de 500 em Portugal. Os simpósios internacionais, que se realizam anualmente, são o momento alto da intensa programação dos Urban Sketchers e juntam num ponto do globo centenas de pessoas empenhadas em desenhar, em partilhar os conhecimentos e técnicas e em aprender. A lotação do encontro de Chicago, no ano passado, demorou "meses" a esgotar-se. Já a de Barcelona, em 2013, esgotou-se em duas horas, "mas eram 250 vagas", diz o presidente do coletivo português.

O passe de quatro dias, com direito a participar em quatro workshops, custa 465 dólares (377 euros), o básico, com acesso a dois workshops, custa 345 dólares (280), e há um sketch pass de 150 dólares (121). Estas inscrições, já esgotadas, dão acesso aos workshops, mas há outras atividades, gratuitas, em que toda a comunidade pode participar. Nelson Paciência acredita que muitos desenhadores portugueses vão juntar-se nestas atividades gratuitas.

Os 36 formadores para os workshops foram escolhidos de entre os desenhadores de todo o mundo. E há três portugueses: os "repetentes" João Catarino e José Louro e o estreante Pedro Loureiro. A partir de 1 de março, os 600 participantes no encontro podem inscrever-se nos workshops em que desejam participar.

Atualmente ainda decorrem as candidaturas para os correspondentes - os "jornalistas" do encontro, que estão nos locais a documentar em desenho e texto o que se passa e a divulgar nas redes sociais. A organização gostaria de que pelo menos um destes correspondentes fosse da zona do Porto. E estão a concurso dez bolsas para skechers portugueses.

O logótipo do simpósio do Porto, que acontece nos dez anos do coletivo internacional, é da autoria de Isa Silva. A proposta desta sketcher portuguesa foi a escolhida entre duas dezenas. Mostra uma torre dos Clérigos semi dobrada, curiosa com os desenhos dos Urban Sketchers.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG