Sexo, drogas e adolescência

Estreado no Festival de Sundance 2015, O Diário de Uma Rapariga Adolescente carrega o tom de um retrato só aparentemente previsível

O cartaz de O Diário de Uma Rapariga Adolescente pode passar a ideia de uma comédia repleta de códigos já bem conhecidos do grande público. Mas não é. Esta primeira obra da californiana Marielle Heller, que a publicação Hollywood Reporter designava, em janeiro de 2015, como "o tipo de filme que Sundance reza para ter todos os anos", é a afirmação segura de uma voz autoral, que define os seus próprios códigos. Nesse sentido, vale a pena referir que, justamente pela dessincronização entre o que o cartaz nos dá a entender do conteúdo e o que de facto é, o filme foi classificado no Reino Unido para maiores de 18 anos... Guerra aberta entre os produtores e a entidade responsável pela classificação, que parece simplesmente ter falhado no entendimento da mensagem.

Este Diário, em grande parte pela conceção formal entre criatividade indie e honestidade dramática, não estabelece muitas semelhanças com a maioria dos retratos da adolescência, embora seja inevitável e determinante o tema da sexualidade. É, pois, nessa chama que o filme se queima, aos olhos de quem classifica o que chega às salas britânicas, ainda que seja também através dela que a realizadora dá sinais de não estar para concessões. Baseado na novela gráfica da escritora e ilustradora Phoebe Gloeckner, que nos situa em São Francisco, década de 1970, diante de uma rapariga de 15 anos que rejubila com a sua primeira vez, esta é uma história sem floreados (a não ser os que resultam do traço animado de ilustrações): Minnie (Bel Powley) teve a sua iniciação sexual com o namorado da mãe, um homem de 35 anos. Chocante? À letra, sim, mas é por isso que se torna tão importante contextualizar. Na verdade, os anos 1970 em São Francisco, ainda no rasto da loucura dos sixties, são o reflexo de uma sociedade americana dominada pelo uso regular de drogas, em que as fronteiras morais da intimidade facilmente se transpunham - basta dizer que a mãe de Minnie (Kristen Wiig) dava festas em casa, quase todas as noites.

Bel Powley, atriz revelação, tem assim a tarefa hercúlea de levar o espectador a conviver com os paradoxos da sua personagem. E consegue-o com larga distinção, ou não fosse a sua expressividade absolutamente adequada ao universo gráfico de O Diário de Uma Rapariga Adolescente. A singularidade da abordagem de Marielle Heller está no realismo mágico que envolve o filme, e nos afasta da preocupação maniqueísta de perceber quem é vítima da sedução de quem. Não há maus: há adultos, adolescentes, e a vida, na sua admirável estranheza.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...