Será este o ano de Leonardo DiCaprio?

O Globo de Ouro pelo desempenho em "O Renascido" pode ser o primeiro de vários prémios para um ator que Hollywood teima em não distinguir.

Sim, 2016 pode ser o ano de Leonardo DiCaprio e não é pelas suas caras quando Lady Gaga passa por ele, imagens que se tornaram virais ainda durante a 73.ª edição dos Globos de Ouro, no domingo à noite, no Beverly Hilton, em Los Angeles. "Nem vi quem passou", disse, prontamente, o ator já com o Globo de Ouro na mão.

Ganhar um Globo de Ouro já não era novidade, e já esteve nomeado para os Óscares cinco vezes, mas o galardão fugiu-lhe sempre. Nas nomeações para a edição deste ano, que serão conhecidas na quinta-feira, DiCaprio deverá estar entre os finalistas, e, acrescentam os especialistas, apesar da concorrência, pode ser desta.

Os favoritos, além de DiCaprio, são Bryan Cranston ("Trumbo"), Matt Damon ("Perdido em Marte"), Leonardo DiCaprio ("The Revenant"), Michael Fassbender ("Steve Jobs"), Eddie Redmayne ("The Danish Girl") e Michael Caine ("Juventude"):

DiCaprio, 41 anos, foi nomeado pela primeira vez em 1994 como ator secundário pelo papel de irmão com distúrbios mentais de "What's Eating Gilbert Grape?" (Lasse Hallström). Esteve nomeado "O Aviador" (2004). "Diamantes de Sangue" (2006) e, a última vez foi por "O Lobo de Wall Street" (2013), neste como ator e como produtor.

Entre os favoritos

"O Renascido" é um filme de Alejandro G. Iñarritu. descrito por Leonardo DiCaprio desta forma: "É poesia épica, uma jornada existencial pela natureza, e um homem que encontra razões para viver contra todas as probabilidades.

Vencedor do Globo de Ouro para melhor filme e melhor realizador, destaca-se do pelotão na corrida aos Óscares, mas há sempre que ponha água na fervura. DiCaprio já ganhou dois Globos de Ouro antes, por "O Aviador" e por "O Lobo de Wall Street", sem que isso se traduzisse em Óscar.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.