Rui Chafes vence Prémio Pessoa

O escultor Rui Chafes é o Prémio Pessoa 2015

Escultor português nascido em 1966, em Lisboa, Rui Chafes formou-se em Escultura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, em 1989, seguindo depois para Dusseldorf, onde frequentou a Kunstakademie, sob a direção do artista alemão Gerhard Merz. Durante a sua estadia na Alemanha traduziu Fragmentos de Novalis (1992).

O Prémio Pessoa 2015, que distingue uma pessoa com uma "intervenção particularmente relevante e inovadora na vida artística, literária ou científica do país", foi hoje anunciado no Palácio de Seteais, em Sintra. O nome de Rui Chafes como vencedor da edição deste ano foi anunciado pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão.

"Rui Chafes consegue o feito raro de produzir uma obra simultaneamente sem tempo e do seu tempo", pode ler-se na ata da reunião do júri.

"As suas primeiras exposições, em 1986 e 1987, são marcadas pela criação de instalações com materiais precários, que, de pronto, foram substituídos por ferro pintado de preto; um meio mais eficaz de ocupar e desenhar o espaço, que subverte as condicionantes normais do museu e da galeria, como se viu na sua exposição O Peso do Paraíso, do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em 2014. Atualmente, na exposição Desenhar, no Atelier-Museu Júlio Pomar, a sua obra entra em contraponto com o desenho de Pomar, flutuando no espaço central do atelier", referiu Pinto Balsemão.

O júri notou ainda a realização de "importantes trabalhos, em colaboração com artistas de outras disciplinas, de que são exemplo Comer o Coração, com a bailarina e coreógrafa Vera Mantero, Bienal de São Paulo, 2004; Fora/Out, com o cineasta Pedro Costa, Serralves, 2005/2006".

"A sua obra tem sido editada em sucessivos volumes: Würzburg Bolton Landing, com peças de 1987 e 94; Harmonia, esculturas de 1995 a 98; Durante o Fim para a antalógica realizada em Sintra, no Parque da Pena e no Museu da Coleção Berardo, 2000; e Um Sopro, de 1998 a 2002. Entre o Céu e a Terra (A história da minha vida), 2012, é, fundamentalmente, um mergulho nas suas próprias raízes, que vai até ao coração da Idade Média, 1266", referiu ainda Pinto Balsemão durante a cerimónia.

Com um valor monetário de 60 mil euros, o Prémio Pessoa foi atribuído em 2014 a Henrique Leitão, historiador de ciência, que tem dedicado particular atenção à ciência portuguesa dos séculos XVI e XVII.

O júri do Prémio Pessoa é presidido por Francisco Pinto Balsemão e integra Álvaro Nascimento, António Barreto, Clara Ferreira Alves, Diogo Lucena, Eduardo Souto de Moura, João Lobo Antunes, José Luís Porfírio, Maria Manuel Mota, Maria de Sousa, Mário Soares, Miguel Veiga, Pedro Norton, Rui Magalhães Baião, Rui Vieira Nery e Viriato Soromenho-Marques.

Atribuído pela primeira vez em 1987 ao historiador José Mattoso, o Prémio Pessoa já distinguiu personalidades como a pianista Maria João Pires, os cientistas António e Hanna Damásio, o poeta Herberto Helder (que recusou o galardão), o arquiteto Eduardo Souto Moura, o compositor Emanuel Nunes, o constitucionalista José Gomes Canotilho, o ator Luís Miguel Cintra, a historiadora Irene Flunser Pimentel e Manuel Clemente, atual Cardeal-Patriarca de Lisboa.

O Prémio Pessoa é uma iniciativa do semanário Expresso, com o patrocínio da Caixa Geral de Depósitos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...