"Quanto mais se fala nisso, vai ficando pior": a despedida dos Buraka à Europa Central

A banda dará o seu "concerto de despedida" no dia 1 de julho, em Lisboa.

O "adeus" ou simplesmente o "até já" aos palcos da Europa central, dos Buraka Som Sistema, foi este fim de semana e incluiu outro concerto esgotado em Bruxelas. E, encher salas, segundo a banda, continua a ser "emocionante".

Horas antes do concerto que esgotou cerca de duas semanas depois do início da venda de bilhetes, Branko conta como a "palavra esgotado tem sempre um peso no ânimo geral em torno do concerto e do dia".

Na digressão antes da anunciada pausa, os Buraka passaram recentemente por Amesterdão e Roterdão, na Holanda, Berlim, Paris, Londres, Bruxelas e Lausana (Suíça).

No calendário, seguem-se três cidades norte-americanas, com a derradeira despedida a acontecer a 01 de julho, em Lisboa, com um "minifestival".

Neste fim de ciclo, Branko, Blaya, Conductor, Kalaf e Riot quiseram "voltar aos sítios em que foram felizes" e a continuar a privilegiar salas que "acolhessem bem o concerto", além de "fazer celebrações".

"Foi bonito fazermos este chamamento e queremos ver todos e celebrar isto pela última vez, pelo menos nos próximos tempos. Conseguir fechar as coisas assim, acaba por ser o ponto positivo de tudo", resume Branko à agência Lusa, sem esconder que a nostalgia já se sente.

"Quanto mais se fala nisso, vai ficando pior", diz o músico, que confessa que, nesta última década, excetuando a família e outros assuntos pessoais, a banda foi a "prioridade número um para tudo".

Por um lado fica agora a "sensação de ter construído algo grande para nós" e, por outro, a "vontade de experimentar outras coisas", como projetos a solo e eventuais eventos em volta da "sonoridade que se anda a pregar pelo mundo, ou seja o mashup cultural", segundo Branko.

Relatando o seu projeto televisivo de andar por cidades como Joanesburgo ou São Paulo, apresentar experiências de música eletrónica, o músico antevê que sejam as "pequenas experiências" que podem ditar a inspiração, no caso de uma eventual reunião dos elementos dos Buraka.

Acerca das críticas da banda Moonspell a um artigo, que garantia o maior reconhecimento internacional do Kuduro, em relação a outros projetos portugueses, Branko admitiu estar um "bocado surpreendido por tanta atenção" ao assunto, mas escusou-se a acrescentar comentários. "Não é diretamente connosco", nota o músico.

Certos são os planos para o concerto de 01 de julho, em Lisboa, para combinar a tradição do kuduro progressivo e sons de outras bandas.

"Vamos tentar criar um minifestival de outros projetos, que têm a mesma linguagem ou a mesma atitude que os Buraka Som Sistema têm. Coisas do Brasil ou do Peru" para que Lisboa assista à "celebração da musica eletrónica global", antecipa Branko, ou seja, João Barbosa.

No passado fim de semana, foram os públicos de Bruxelas e de Lausana a assistir à digressão final, sem já o habitual vídeo a servir de cenário, mas com os símbolos dos três álbuns lançados (Black Diamond, Komba e Buraka).

À saída do concerto, a mãe Alexandra, portuguesa residente há 19 anos em Bruxelas, e "repetente" nos concertos dos Buraka, não poupou elogios ao desempenho em palco, e espera que a pausa "seja apenas uma má notícia" - pode ser que "eles depois se arrependam".

A filha Beatriz nota ser a terceira vez que assiste ao desempenho e confessa ter sido a mãe que impulsionou a vinda à sala de espetáculos do centro de Bruxelas: "Foi a minha mãe que me convenceu. Cheguei hoje de Lisboa e fomos comprar um bilhete à porta, foi por acaso, nem sequer sabia que vínhamos".

Desafiados a cantar Buraka, o filho Pedro também se junta ao coro familiar e a escolha não foge ao clássico Wegue, wegue.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.