Quando Fellini se filmava no seu próprio espelho

O clássico "Oito e Meio" (1963), de Federico Fellini, está de volta às salas portuguesas, em cópia restaurada: um filme confessional sobre os bastidores do próprio cinema.

É uma circunstância feliz esta de a Festa do Cinema Italiano (começa esta quarta-feira, dia 30 de março) em Lisboa, envolvendo cinema São Jorge, UCI El Corte Inglés e Cinemateca) abrir com dois títulos que, por assim dizer, dialogam à distância de mais de meio século: por um lado, O Conto dos Contos, de Matteo Garrone, espetáculo de exuberante fantasia que recupera os contos escritos por Giambattista Basile nos séculos XVI/XVII; por outro lado, o clássico Oito e Meio, de Federico Fellini, precisamente um autor que Garrone reconhece como um dos seus mestres (é mais uma reposição que o mercado português acolhe em cópia restaurada).

Estreado em Itália em fevereiro de 1963 (chegou às salas portuguesas cerca de um ano mais tarde), Oito e Meio entrou na mitologia dos filmes como um dos mais elaborados, profundos e também sarcásticos retratos da própria criatividade cinematográfica. Guido Anselmi, a lendária personagem interpretada pelo magnífico Marcello Mastroianni, é um assumido "alter-ego" de Fellini: um cineasta que tenta superar uma situação de bloqueio para descobrir, afinal, que os seus fantasmas mais íntimos e, em particular, as suas enigmáticas relações com as mulheres (Claudia Cardinale, Anouk Aimée, Sandra Milo, etc.) definem a matéria essencial do seu próprio universo narrativo.

No seu ofegante vai-vém entre a crueza do quotidiano e o apelo de sonhos e pesadelos, Guido definiu um padrão de personagem que, com mais ou menos talento, muitos imitaram. Para nos ficarmos por um dos exemplos mais brilhantes, porventura também menos conhecidos, lembremos que Stardust Memories/Recordações (1980), de Woody Allen, se apresenta como uma pessoalíssima variação sobre as matrizes de Oito e Meio (a começar pela enigmática pulsão poética das suas imagens a preto e branco).

Fellini contemplava-se, assim, no seu próprio espelho, afinal percorrendo as vias ambíguas de um narcisismo sempre no limite do confessionalismo mais amargo. Em todo o caso, importa lembrar que a sua atitude não pode ser desligada de todo um contexto (cinematográfico, cultural, social) em que a noção de autor, precisamente, estava a ser revista e revalorizada.

Um recorde de 4 Óscares

1963 é um ano especialmente importante em tal dinâmica, aliás marcada pela afirmação global do chamado "cinema novo", fenómeno de revisão crítica dos clássicos e invenção de linguagens de que a Nova Vaga francesa foi o modelo fundamental. Em França, justamente, Jean-Luc Godard assinava O Desprezo, outro filme que encenava os bastidores do trabalho cinematográfico (aliás, rodado em Itália, na ilha de Capri e nos estúdios da Cinecittà, em Roma). Em Inglaterra, Joseph Losey dirigia O Criado, escrito por Harold Pinter, visão especialmente arrojada do sistema tradicional de classes sociais. Enfim, em Portugal, Manoel de Oliveira regressava à longa-metragem com Acto da Primavera, título emblemático das novas formas de relação entre documentário e ficção.

Para Fellini, como para vários outros autores italianos - Michelangelo Antonioni, por exemplo, preparava o revolucionário Deserto Vermelho, que seria lançado em 1964 -, tratava-se de superar, em definitivo, as formas herdadas do neo-realismo e, em particular, a sua lógica redentora e metafísica. Afinal de contas, de uma maneira ou de outra, quase todos os grandes cineastas europeus enfrentavam o "liberalismo" equívoco da sociedade de consumo e a sua reconfiguração das relações humanas. Nesta perspetiva, sendo um objeto na primeira pessoa, Oito e Meio era também uma renovada interrogação das ilusões sociais já expostas em A Doce Vida (1960). Para acentuar a dimensão pessoal do empreendimento, Fellini escolheu um título de básico simbolismo: era o seu "oitavo filme e meio", uma vez que começara com "meio filme", Luce del Varietà (1950), co-assinado com Alberto Lattuada.

Para a história, foi também um título de consolidação do nome de Fellini como o mais internacional da produção cinematográfica italiana da época. Assim, Oito e Meio foi a sua terceira realização a arrebatar o Óscar de melhor filme estrangeiro, depois de A Estrada (1956) e Noites de Cabíria (1957). Fellini é mesmo o cineasta que assinou mais títulos (quatro) consagrados com essa estatueta dourada: voltou a ganhar com Amarcord (1974). A Itália continua a ser, aliás, a cinematografia mais premiada pela Academia de Hollywood: 14 das suas produções já ganharam o Óscar de melhor filme estrangeiro.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.