Primeira aventura de Tintin ganha cores  

As edições Casterman anunciaram a reedição de Tintin au Pays des Soviets pela primeira vez a cores, a 11 de janeiro de 2017

Tintin au Pays des Soviets, o álbum em que nasce a emblemática personagem de BD Tintin pelo punho do belga Hergé era, até agora, o único que nunca tinha sido editado em versão colorida. Uma falha que a editora francesa Casterman e a viúva de Hergé, Fanny Rodwell, herdeira universal da obra do artista, vão colmatar. 11 de janeiro foi a data escolhida para a reedição das pranchas que começaram a ser editadas a 10 de janeiro de 1929 no Petit Vingtième, suplemento do jornal belga Le Vingtième Siècle.

Tintin au Pays des Soviets, de Hergé, editado pelaCasterman, é lançado no dia 11 de janeiro de 2017

A tarefa de dar cor a esta primeira história de Georges Prosper Remi (1907-1983), que ficou conhecido pelo nome artístico Hergé, cabe a Michael Bareau, diretor artístico dos Estúdios Hergé e antigo diretor artístico da editora Casterman. Segundo o jornal francês Le Monde, terá sido dele a ideia de avançar com esta reedição e, durante mais de um ano, terá trabalhado em computador, em rigoroso segredo, a partir das pranchas originais do artista belga que foram restauradas e digitalizadas para que desenvolvesse o seu trabalho.

Essas pranchas originais formam um dos conjuntos que o Grand Palais, em Paris, vai apresentar a partir de quarta-feira, 28 de setembro, na exposição Hergé, organizada em parceria com o museu dedicado ao artista em Louvain-la-Neuve, perto de Bruxelas. "Revelar as múltiplas facetas da sua obra através da maior concentração até hoje de pranchas originais, de pinturas que o rodeavam, de fotografias, evocando os encontros que guiaram a sua vida e a sua visão artística" é o que se pode esperar da mostra, refere o comunicado do Grand Palais sobre a exposição que pode ser vista até 15 de janeiro. Oportunidade para descobrir que Tintin, o herói de mais de 250 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo e traduzido em 110 línguas e dialetos, era apenas uma parte da vida de Hergé. M.M.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.