Primavera Sound bate recordes de público

O Sol voltou a brilhar no parque da cidade, naquele que foi o dia mais concorrido da história do festival, com uma verdadeira multidão a concentrar-se desde muito cedo em frente aos palcos principais.

odem desligar o Sol?" Perguntou a dada altura do concerto o vocalista e baterista dos Whitney, Julien Ehrlich"s. A banda subiu ao palco Super Bock por volta das 19.00 e, apesar de a bela luz do fim da tarde ser perfeita para a mistura de rock, folk e soul do disco de antestreia dos americanos, o facto de terem apanhado um voo algures na Alemanha, às cinco da manhã, sem dormir, não estava a ajudar muito.

A falta de sono não diminuiu, porém, a capacidade dos Whitney, que até tinham no público um quase incógnito Hamilton Laithauser, cujo concerto só haveria de começar muito mais tarde. Outra visita ilustre, mas neste caso no palco, foi a de Ambrose Kenny Smith, músico dos King Gizzard and the Lizard Wizard, que fez uma perninha numa improvisação, a tocar harmónica. A atuação do grupo australiano de rock psicadélico também estava marcada para mais tarde, mas, a avaliar pela quantidade de gente, no palco e público, parece que todo o festival se concentrou ali, durante os 50 minutos deste concerto.

"Tanta gente", admirou-se Julien, antes de quase provocar um incidente diplomático, ao manifestar de forma efusiva o seu amor a Lisboa. "Gosto muito do Porto, mas Lisboa é especial", disse, provocando um misto de assobios, aplausos e risos, depressa novamente abafados pela música e pelas palmas, desta vez gerais, ao anunciar que a próxima música, Follow, era dedicada ao avô, falecido há poucos anos. Antes, já haviam passado pelo palco Super Bock os portugueses First Breath After Coma, mas seria apenas com o rock psicadélico dos australianos Pond que a primeira grande enchente aconteceu, neste caso no palco NOS, situado mesmo ao lado. Sim, eram apenas seis da tarde, mas no anfiteatro relvado do Parque da Cidade parecia muito mais tarde. Eram quase tantas as pessoas como no final da noite anterior, para assistir à atuação da dupla francesa Justice ou do duo americano de hip hop Run the Jewels, responsáveis por um dos mais intensos espetáculos na quinta-feira.

Apesar de ainda não haver números oficiais, Marina Reino, gestora de projeto da NOS, a principal patrocinadora do festival, revelou ao DN que o dia de ontem "bateu todos os recordes de público" e até a quinta-feira "foi a mais concorrida de sempre" da história do Primavera Sound portuense, obrigando a toda uma intensa logística para garantir o conforto dos espectadores. "Estávamos preparados para isto, claro, mas requer uma planificação antecipada", explica esta responsável.

Uma logística que se comprovava nos já típicos kits do Primavera Sound, composto por uma mochila e por uma toalha de piquenique, que ontem voavam das mãos de quem os oferecia mal apareciam no recinto. Ou nos power banks (carregadores portáteis de telemóvel), que eram disponibilizados à entrada do recinto, mediante uma caução simbólica de dez euros. "São muitas as pessoas que optam por ficar com o equipamento", salienta Marina Reino, para quem a presença da marca para a qual trabalha "tem de acrescentar algo em termos de conforto e bem-estar" e "não apenas estar presente"

Nos diversos palcos do festival iam-se entretanto sucedendo os concertos, neste dia já com todos os quatro palcos em pleno funcionamento: do rock desenfreado dos americanos Royal Trux ao electro-rap-punk dos britânicos Sleaford Mods, passando pelo rock experimental dos também americanos Swans ou pelo pop rock de guitarras perfeita dos escoceses Teenage Fanclub.

Estes últimos atraíram até ao palco Super Bock mais uma pequena multidão, para vibrar com os clássicos de discos como A Catholic Educacion, The King ou Bandwagonesque, que ajudariam a definir muita da música alternativa feita a partir daí e até levaram o lendário líder dos Nirvana, Kurt Kobain, a considerar os Teenage Fanclub "a melhor banda do mundo". Já no palco Pitchfork, era a nova alternativa leitura da cartilha country, por parte da americana Nukki Lanne, que atraía as atenções.

A esta hora ainda era muito o que estava para vir, em especial Hamilton Laithauser ou os King Gizzard and Lizzard Wizard, mas também a americana Julien Valer ou o grime do britânico Skepta, numa noite que, como é hábito no NOS Primavera Sound, obriga às mais variadas ginásticas mentais e físicas para ver um pouco de tudo. Entretanto chegou a hora em que todos os caminhos pareciam conduzir a um só local, onde finalmente se preparava para atuar Bon Iver, o projeto cada vez mais pessoal do americano Justin Vernon. E a ter em conta a repentina migração para a frente do palco principal, terá sido mesmo ele o grande responsável pela noite histórica de ontem.

Programa de hoje, 10 de junho

Palco Super Bock

17.00 - Núria graham

18.30 - Elza Soares

21.00 - Sampha

23.20 - Japandroids

Palco NOS

17.45 - Evols

19.50 - Growlers

22.10 - Metronomy

00.30 - Aphex Twin

Palco.

17.45 - Songhoy Blues

19.00 - Wand

20.30 - Shellac

22.00 - Death Grips

23.30 - Make-up

1.00 - Black Angels

Palco Pitchfork

21.00 - Mitski

22.30 - Weyes Blood

02.45 - Tycho

00.00 - Operators

1.20 - Against Me!

4.00 - Bicep live

5.00 - Marc Piñol

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.