Prémio Pedro Osório 2018 para músico Júlio Pereira

"Praça do Comércio" é feito de várias parcerias e tem como protagonistas o cavaquinho e a braguinha

O músico português Júlio Pereira venceu o prémio Pedro Osório 2018, que homenageia os melhores criadores musicais portugueses, pelo seu último álbum, "Praça do Comércio", anunciou hoje a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), responsável pelo galardão.

O prémio Pedro Osório, que a SPA atribui no primeiro trimestre de cada ano, distingue Júlio Pereira e o seu álbum de 2017, "com grafismo de Carlos Zíngaro e com muita informação sobre o cavaquinho", referiu a SPA em comunicado.

Com capa e desenhos de Carlos Zíngaro, a edição em CD de "Praça do Comércio" conta com uma introdução do musicólogo Rui Vieira Nery e dois textos explicativos sobre a história do cavaquinho e da braguinha, de Nuno Cristo e Manuel Morais, ilustrados com várias fotografias.

Júlio Pereira incluiu ainda um guia de acordes e partituras para todos os que quiserem tocar as músicas do álbum.

A SPA destaca que Júlio Pereira continua a ser o "grande dinamizador" das qualidades, da sonoridade e do significado musical e histórico deste pequeno instrumento popular de cordas, de tradição minhota, que, saído há séculos de Portugal, deu a volta ao mundo, deixando raízes no Brasil, em Cabo Verde, no Havai e na Indonésia.

"Praça do Comércio" é justamente "um excelente exemplo do valor do instrumento e do muito que com ele pode ser feito, havendo agora dezenas de novos executantes e construtores em todo o país", destaca a SPA, considerando que, deste modo, o prémio "é também uma homenagem a Júlio Pereira e ao cavaquinho".

"Praça do Comércio" é feito de várias parcerias e tem como protagonistas o cavaquinho e a braguinha, sendo composto por temas originais, aos quais Júlio Pereira juntou uma versão de "Índios da Meia-Praia", de José Afonso.

No álbum, Júlio Pereira toca viola braguesa, viola, sintetizador, bouzouki e bandolim, mas sobressaem sobretudo o cavaquinho e a braguinha, um instrumento madeirense de cordas, parente daquele, e que o músico gravou pela primeira vez.

Para o álbum, convocou vários convidados, como António Zambujo, Pedro Jóia, Luanda Cozetti, Olga Cerpa, Luís Peixoto, José Manuel Neto, Cheny Wa Gunne e James Hill, o tocador canadiano de ukulele - outro parente do cavaquinho - com quem Júlio Pereira atuou no ano passado nos Estados Unidos.

Júlio Pereira intensificou nos últimos anos o trabalho de dedicação ao cavaquinho, depois de ter criado a Associação Cultural e Museu Cavaquinho, com a intenção de investigar e inventariar modelos do instrumento, partituras, tocadores, compositores e construtores em todo o mundo.

A SPA adianta que já manifestou a sua disponibilidade a Júlio Pereira para apoiar junto da UNESCO a candidatura do cavaquinho a Património da Humanidade, "processo complexo que exige muitas colaborações, iniciativas e ações concertadas".

O prémio Pedro Osório - instituído como homenagem ao compositor, pianista e maestro -- será entregue a Júlio Pereira, no início de 2018.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.