Posters de artistas ocupam paredes sujas de Marvila

O escritor Valter Hugo Mãe e a artista Wasted Rita estão entre os autores dos 25 posters que, até 7 de julho, estão na rua.

Todas as janelas daquele armazém na rua Fernando Palha, em Lisboa, estão tapadas com tijolos vermelhos, para evitar que alguém entre no enorme edifício desocupado. Todas menos uma. No primeiro andar, há uma rapariga a espreitar na janela. Está descalça e tem um gato preto. Parece estar a apanhar sol, a tentar ver o rio Tejo do outro lado da rua. Ou pelo menos é assim que a imagina o arquiteto Pedro Campos Costa, o autor do poster que está colocado sobre os tijolos que tapam a janela.

Este é um dos 25 cartazes que integram a mostra pública Poster, que ocupa algumas das principais ruas de Xabregas e Marvila. Trata-se de uma iniciativa da agência criativa Departamento que, como explica um dos seus diretores, Bruno Pereira, "é uma agência que trabalha com eventos culturais de acesso livro. E ser de acesso livro é algo importante para nós, queremos ser como um amplificador de cultura". Sendo uma antiga zona industrial que foi praticamente deixada ao abandono durante anos, Marvila, com as suas fábricas desativadas e armazéns fechados, começa a ganhar cada vez mais adeptos entre os artistas e os jovens que procuram espaços de trabalho a preços acessíveis, o Departamento pensou que seria boa ideia criar um evento que "fizesse uma ponte entre a população local e os criativos que estão a chegar aqui". No novo sítio cool de Lisboa, os prédios devolutos estão a dar lugar a restaurantes caros, ateliers, galerias de arte e espaços de escritório - e esta mostra pretende aproveitar este momento de transição, em que ainda é possível ocupar as paredes sem grandes problemas.

"Quando eu era puto e tinha uma banda de punk, o poster era aquela maneira fácil de comunicar. Fazíamos a cola com vinagre e farinha e colávamos os cartazes em qualquer lugar", conta Bruno Pereira. Estes posters que estão agora nas paredes dos Armazéns Abel Pereira da Fonseca são grandes (1,80m x 1,20m), tão grandes quando os posters que anunciavam o circo quando éramos pequenos, maiores do que os posters "da Samantha Fox e do Kurt Cobain que forravam as paredes do quarto". O patrocínio da Staples permitiu a impressão de todos os cartazes com a qualidade necessária para a exposição.

Foram convidados 20 artistas e ainda houve mais cinco projetos escolhidos através de um open call. "Cada artista teve a liberdade de fazer o que quisesse", garante Bruno Pereira. O desafio foi feito a artistas, fotógrafos, designers, ilustradores, mas também a arquitetos e até a escritores. "Achámos graça por ser completamente inusitado, gostamos de pôr as pessoas a fazerem coisas fora do seu formato habitual." José Luís Peixoto propõe um cartaz branco com letras maiúsculas: "Se estás a ler estas palavras é porque estás vivo". Já Valter Hugo Mãe optou pelas suas habituais minúsculas e lançou o slogan: "amor para que comece". O escritor Gonçalo M. Tavares juntou-se ao atelier de arquitetura And-Ré para nos perguntar "o que ouvem as paredes? que segredos guardam?". Já Afonso Cruz, que além de escritor é também ilustrador, fez um poster que chama a atenção para o impacto da tecnologia na nossa vida (seremos "marionetas sem fios"?).

Entre hoje e domingo, haverá visitas guiadas (sexta-feira às 19:30, sábado às 17:00 e domingo às 15:00) gratuitas. Nem sempre é fácil encontrar os posters, é preciso andar de nariz no ar e olhos atentos. Mas vale a pena procurar a ironia de Wasted Rita, o poster do atelier Artéria & Rui Pinheiro ("Zona de resiliência urbana"), da fotógrafa Leonor Ribeiro, do músico The Legendary Tigerman (que também faz fotografia) ou do artista Rui Toscano. O artista e ilustrador Craig Atkinson (Reino Unido) foi um dos artistas estrangeiros que aceitaram este desafio, assim como John Trashkowsky ou Edik Katykhin.

Há até um poster de um artista que já morreu - um fotografia de Eduardo Harrington Sena, escolha do curador da exposição por "ter tudo a ver com a zona industrial onde estamos".

Esta manhã, um dos posters - o de Nicolae Negura - tinha sido roubado. "Faz parte", comentou o responsável, garantindo que este, tal como outros que possam desaparecer entretanto, será substituído.

No túnel por baixo do edifício que há de ser, em breve, o anunciado "maior co-work da Europa", estão reunidos todos os posters, em formato mais pequeno, e ainda aqueles que foram realizados nas últimas semanas com alguns instituições que trabalham com jovens no bairro. Quem quiser, poderá comprar uma cópia deste mesmo tamanho, de alguns dos posters por apenas 15 euros.

Mais informações através do site www.postermostra.com.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?