"My name is Prince, the one and only"

Prince morreu hoje aos 57 anos na sua casa em Minneapolis. O músico tinha sido internado de urgência a 15 de abril com uma gripe.

A morte do cantor foi confirmada pela sua agente.

"É com profunda tristeza que confirmo que o lendário e icónico intérprete, Prince Rogers Nelson, morreu na sua casa em Paisley Park esta manhã aos 57 anos", disse Yvette Noel-Schure, adiantando não haver detalhes sobre a causa da morte.

O músico norte-americano foi encontrado inanimado esta quarta-feira na sua casa, no Minnesota, o complexo Paisley Park, onde vivia e tinha instalado o seu estúdio, e foi declarado morto cerca das 12.00, 18.00 em Portugal Continental.

Pouco antes de ser confirmado o óbito, o site TMZ avançou que a polícia estava a investigar uma morte em Paisley Park, a propriedade do músico norte-americano, autor de êxitos como Purple Rain e Kiss.

Segundo a CBS, a polícia foi chamada à residência de Prince às 09.43 locais.

Um responsável da polícia confirmou que a polícia e os serviços médicos foram chamados a Paisley Park devido a uma ocorrência envolvendo uma morte, sem confirmar o óbito nem a identidade da pessoa.

O músico tinha sido internado de urgência a 15 de abril com uma gripe. O avião privado em que Prince seguia teve de fazer uma aterragem de emergência no Illinois para prestar cuidados ao cantor.

Um músico influente

O compositor e intérprete norte-americano começou a chamar a atenção nos anos 70 com a sua música que misturava jazz, funk e disco. Nas três décadas seguintes manteve-se como um dos mais inovadores e excêntricos músicos pop norte-americanos.

Durante a sua carreira, ganhou sete Grammy e um Óscar pela canção Purple Rain, em 1984.

Influenciou outros músicos e vendeu mais de 100 milhões de discos.

Por um breve período, em 1993, o cantor decidiu mudar de nome e passar a ser conhecido como um símbolo ou "o artista antes conhecido como Prince". Era uma reação à indústria musical, com cujas práticas se mostrou abertamente em desacordo várias vezes.

Concertos em Portugal

Prince atuou três vezes em Portugal, a última das quais em 2013. O concerto encheu o Coliseu dos Recreios, em Lisboa, no dia 15 de agosto, um sábado. Tinha sido anunciado na quarta-feira anterior.

Nesse concerto, em que Prince recusou que fosse fotografado ou gravado, elogiou a cantora Ana Moura, que tinha visto em palco no dia antes, em Ílhavo. "A vossa rainha", disse sobre a cantora portuguesa. A fadista cantou com o músico norte-americano no Super Bock Super Rock em 2010.

Em digressão pelos EUA, Ana Moura ainda não quis falar sobre a morte do artista. Há uma hora mudou a fotografia com que se apresenta na sua página oficial para um quadrado negro. Amanhã atua em S. Francisco.

Em novembro, após os atentados de Paris, o cantor decidiu adiar a sua digressão europeia que deveria começar no dia 24 desse mês.

Tinha lançado o último disco, HITnRUN em dezembro de 2015.

O cantor estava em digressão pelos EUA. Foi depois de um destes concertos, em Atlanta, que o se sentiu mal e teve de ser assistido de urgência. Segundo a imprensa norte-americana, cancelou vários concertos depois.

Prince Rogers Nelson, nome verdadeiro do músico, nasceu a 7 de junho de 1958, em Minneapolis. Escreveu a primeira canção com sete anos. Ao longo da sua carreira sempre rejeitou falar da vida privada. Foi casado duas vezes. A primeira com a ex-bailarina Mayte Garcia, de quem se divorciou em 2000. A segunda vez com Manuela Testolini.

Reações pelo mundo fora

As redes sociais enchem-se de mensagens lembrando o músico.

A surpresa de Samuel L. Jackson:

Spike Lee disse que tem saudades do seu irmão. "Prince era um gato divertido".

"Pior dia de sempre", disse Boy George.

O músico Quincy Jones no twitter:

... E em Portugal

Nuno Braancamp, da Ritmos e Blues, responsável por trazer Prince a recintos nacionais, relembrou ao telefone na SIC que o músico chegou atrasado a um dos seus concertos mas "cativou o público logo na primeira música", aliás "aquele palmo e meio de gente cativava qualquer plateia".

Pedro Gonçalves (Dead Combo): Prince deixa uma "obra enorme" de "música transversal" que "só quem não ouve música, pode não ser influenciado".

Sónia Tavares (The Gift): ficou "perplexa" quando soube da noticia através das redes sociais. Cresceu ao som de Prince, fosse em casa, nas discotecas, nas matinés.

Paulo Furtado (The Legendary Tigerman): "artista incontornável", "símbolo do funk, soul e rock n roll" que por muitas vezes "navegou em água traiçoeiras [do kitsh/ mau gosto], mas sempre soube agarrar as pessoas".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.