Paula Rego domina venda com obras vindas do Museu do Chiado

O leilão de quarta-feira na Veritas, em Lisboa, de 160 lotes, incluía obras da coleção de Isabel Vaz Lopes, que estiveram em depósito no Museu do Chiado entre 2003 e o ano passado

Cortesão, de Paula Rego, foi arrematado por 71 mil euros no leilão da Veritas, de que se destaca ainda a venda de Caminhante, de Júlio Resende, por 65 148 euros (65 148), ou a fotografia Desenho, de Helena Almeida, por 47 380 euros.

Entre os 160 lotes que foram a leilão nesta quarta-feira à noite estavam várias obras pertencentes a Isabel Vaz Lopes, que a colecionadora decidiu retirar do Museu do Chiado no ano passado, onde estavam em depósito desde 2003.

Contudo, entre obras de Pedro Cabrita Reis, Rui Chafes, José Luís Neto, Joana Vasconcelos, Alberto Carneiro, ou Álvaro Lapa, entre outros, a Veritas não quis divulgar quais vieram do acervo da colecionadora. A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) já tinha respondido ao DN que não iria participar no leilão para tentar levar de volta ao Museu do Chiado algumas das obras. Tal ação fora já feita na compra de três obras quando do anúncio da colecionadora: S.D de José Luís Neto, Full moon de Júlia Ventura, e Shelter de Augusto Alves da Silva.

"A minha intenção é trazer algumas peças para casa. Porque não estão comigo há 14 anos. E, grande parte, vender. Está na altura de acabar esse protocolo. Quando fiz o primeiro protocolo, com o dr. Pedro Lapa [director do museu entre 1998 e 2009], a intenção de ambos era dar uma espécie de exemplo a vários outros coleccionadores que poderiam fazer depósitos no museu" afirmou Isabel Vaz Lopes ao Público no ano passado.

Do leilão de quarta-feira destaca-se ainda a venda de Autoportrait, de Maria Helena Vieira da Silva, por 28 428 euros, Picador II, de Júlio Pomar, por 35 535 euros, ou uma obra Sem Título de Cindy Sherman por 35 535.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG