Oiça a homenagem de Elton John a David Bowie

O autor de Rocket Man já se juntou a artistas como Madonna, Bruce Springsteen ou Iggy Pop, que lamentaram a morte do músico britânico. Ao piano, tocou Space Oddity e agradeceu ao seu autor

Elton John disse que tinha de agradecer a David Bowie, que o ajudou a encontrar produtor para o seu primeiro álbum. Foi ao piano que prestou homenagem ao músico britânico que morreu no passado domingo, dia 10, aos 69 anos, depois de lutar durante 18 meses contra o cancro.

Com uma versão instrumental de Space Oddity, de Bowie, tocada ao piano, Elton John terminou-a enquanto começava a tocar e cantar um clássico seu, Rocket Man, tornando difícil que as palavras da canção não parecessem referir-se a Bowie. O músico apresentava esta quarta-feira o seu novo disco Wonderful Crazy Night no Wiltern Theatre, em Los Angeles, EUA.

A certa altura, lançou: "Todos sabemos que a sua música permanece. Não temos de dizer nada acerca da música: ela fala por si mesma. Ele era inovador, desafiava os limites e dançava no seu próprio tom - algo que em qualquer artista é realmente raro."

Outro dos comentários que Elton John fez na sua homenagem, cita o jornal Independent, foi em torno da "mística" de Bowie. "Ele manteve [a doença] privada numa altura em que vivemos com o Twitter, em que toda a gente sabe tudo sobre tudo."

"Nós não sabemos nada acerca dele, e é assim que devia ser na música e em qualquer forma de arte", rematou o músico de 67 anos, que assim se juntou ao coro de homenagem a Bowie, que registava já declarações Madonna, Iggy Pop, Bruce Springsteen, Kanye West ou Brian Eno.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.