"O Vendedor", do Irão, ganha Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

Farhadi já tinha vencido o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2012

"O Vendedor", filme iraniano de Asghar Farhadi, venceu o Óscar de Melhor Filme de Língua Estrangeira.

Ausente da cerimónia, em protesto pelas medidas anti-imigração de Donald Trump, o realizador deixou uma mensagem referindo-se à lei que proíbe cidadãos de sete países de entrar nos EUA. Na mensagem, pediu desculpa por não estar presente em Los Angeles, mas afirmou que tomou a decisão por respeito ao povo do Irão e de seis outros países de maioria muçulmana "desrespeitados" pela "lei desumana" introduzida pela administração do presidente dos Estados Unidos, entretanto suspensa pelos tribunais federais.

"Dividir o mundo entre nós e os nossos inimigos cria medo, uma justificação enganosa para agressão e guerra", ouviu-se no depoimento de Farhadi, que já antes tinha sido vencido um Óscar, na mesma categoria, por "Uma Separação".

O realizador iraniano afirmou ainda que a os "cineastas podem usar as suas câmaras para capturar qualidades humanas partilhadas e quebrar estereótipos de várias nacionalidades e religiões".

"Criam empatia entre nós e os outros. Uma empatia necessária hoje mais do que nunca", concluiu a mensagem de Farhadi.

Farhadi já tinha vencido o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2012, com o filme "Uma Separação".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.