"O palco liberta-me, o estúdio aprisiona-me"

O espetáculo que traz Vanessa da Mata de volta a Portugal chama-se Delicadeza. Ao longo da conversa (eletrónica), a cantora - e escritora - fez questão de somar outras características: frontalidade, convicção e o tempero doce que já lhe conhecemos da voz

Sete discos em 14 anos ajudaram Vanessa da Mata a conquistar o seu lugar na linha da frente da música do Brasil. Mesmo com a crise, de que fala mais adiante, nunca baixou, em vendas, do disco de ouro, e soma quatro platinas e uma dupla platina. Confessa preferir o palco ao estúdio, gostaria de cantar o nordestino Luiz Gonzaga como fez - exemplarmente - com o carioca Tom Jobim. Quer voltar à escrita. E gosta de regressar à sua terra natal, Alto Garças. Já no que toca ao momento político, deteta-se um sentimento que não anda longe da vergonha... Tudo sem meias-palavras.

O que tem feito desde a edição de Segue o Som? Exclusivamente shows ou já começou a preparar um novo disco?

Agora, estou na digressão do disco Segue o Som. Normalmente, depois da edição do disco, vêm a divulgação, os ensaios e, por fim, entramos nos concertos, juntamente com a preparação de músicas para um próximo trabalho. Além disso, tenho-me apresentado também com o show Delicadeza, que é um trabalho totalmente diferente. Ainda não consegui escrever um novo livro. E uma coisa que não faço há muito tempo - tirar férias... Já estou a pensar nisso, também.

Quais são as diferenças fundamentais no seu dia-a-dia, entre a fase de afirmação artística e o seu tempo atual?

Eu acho que um artista nunca é totalmente consagrado, por mais que o público lho "diga". Eu tento sempre fazer um disco melhor do que o anterior. E isso é sempre difícil... Existem grandes diferenças entre as fases. No começo, existia muito medo e insegurança, porque eu não sabia como os produtores iam lidar com o meu trabalho. Hoje em dia, já consigo determinar melhor como serão os discos, para onde eu quero que a minha carreira ande. Já tenho condições de escolher melhor quem será o produtor, de acordo com as suas características e do que eu estou a planear para o disco.

Passados estes anos, e continuando a compor boa parte do que canta, sente-se mais autora, mais intérprete ou considera que está tudo ligado?

Eu acho que as duas carreiras estão extremamente interligadas. Não é apenas uma carreira de letrista, trata-se também da melodia, da composição. Quando eu faço a melodia, a cantora está cantando dentro de mim. Aí, já vejo se funciona, se está a ficar bom. Então, são coisas que não se separam.

O que lhe serve de inspiração para compor e para escrever?

Eu tenho uma grande avidez pela vida, pelo conhecimento. Eu presto atenção ao ser humano, às suas dificuldades, à sua desorganização e à sua organização. Tenho uma necessidade de compor o ser humano na minha cabeça. Isso não é controlar nada, mas simplesmente fazer uma vida acontecer dentro da minha cabeça. Eu tenho necessidade de compor aquilo no papel - é quase como registar algo que se está a passar ali. E é lógico que cada um tem a sua leitura do outro. Isso, para mim, é mais um traço do existir. Mais uma possibilidade da existência. E é como se essa história se encaixasse na vida de tantas pessoas. Quando eu vejo alguém cantando e achando que aquilo tem que ver com a sua vida, é como se essa pessoa também compusesse em conjunto comigo.

Tem alguma disciplina diária, alguma rotina que possa partilhar com os seus fãs?

Para escrever músicas, eu gosto que seja fora de casa. O livro A Filha das Flores foi escrito muito dentro de casa, porque era uma imersão intensa e muitas vezes dolorida, mas compensadora, no fim de tudo. Para compor tenho necessidade de sair, é como se eu arejasse a minha cabeça e isso torna o processo mais fácil. Mesmo que eu termine em casa, o começo das ideias surge sempre nas ruas, muitas vezes num avião, numa multidão. Às vezes inspiro-me a ouvir uma outra música e crio algo completamente diferente. O brasileiro é muito engraçado, perspicaz; as personagens são muito fartas, as pessoas aqui mostram-se muito. São alegres, positivas. E isso encanta-me, também visualmente. Em Portugal, eu saio o tempo todo. Infelizmente, nunca tenho tempo que chegue... Normalmente, vou em trabalho. Mas, uma vez, fiz uma viagem de carro... Acho os cafés deslumbrantes, cheios de história e isso seduz-me imenso. Agora, por exemplo, estou em casa, aqui no Rio de Janeiro, vendo o Cristo Redentor e a ouvir Celeste Rodrigues. Descobri-a há pouco tempo e acho um fado maravilhoso. Celeste Rodrigues é de uma delicadeza... Ela canta realmente um fado celestial.

Palco ou estúdio: qual é o seu "lugar" favorito?

Para mim, palco é muito mais divertido apesar de haver sempre as dificuldades da viagem. Agora, por exemplo, eu estou congestionada: saí de Rondônia com 40 graus e vim para o Rio, onde estão 18. Isto desgasta muito o cantor. Por outro lado, a culinária de Rondônia foi tão maravilhosa, na beira do rio Madeira... E gosto de pensar que essa experiência de poder viajar seria muito difícil se eu trabalhasse noutra coisa. A parte boa compensa quase tudo, menos a saúde, que precisa de uns dias para se restabelecer. O estúdio desgasta-me muito. Sinto-me presa. Sou alguém completamente de rua, que gosta de escrever na rua, em cafés, gosto de observar as pessoas... O estúdio aprisiona-me muito.

O que a levou a dedicar um disco inteiro a Tom Jobim? Sente alguma afinidade especial com o mestre?

Eu sou tão apaixonada por Tom Jobim que, quando ele morreu, tive uma pequena depressão. Eu chorava muito e, passados uns três dias, sonhei com ele. Ele fumava um charuto dos seus e disse-me assim: "Minha preta, não fica triste, eu estou bem." Só aí eu parei de me preocupar e acreditei que ele estava bem. Logo no princípio da minha carreira, quando eu cantei com Baden Powell, o Tom tinha falecido há poucos meses. E o Baden disse-me que, se o Tom estivesse vivo, ter-se--ia apaixonado pela minha voz. Isso foi uma confirmação de uma conexão musical muito forte para mim. Quando veio a ideia de cantar Tom Jobim, aí deu-se realmente uma afirmação, uma confirmação de tudo isso: da minha paixão pelo trabalho dele, pela pessoa dele, a luta contra a degradação da natureza, a ecologia, o amor aos passarinhos, às espécies de árvores...

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.