O filme sueco que chegou aos Óscares

Um homem chamado Ove, Hannes Holm

Eis um filme que depende por inteiro da sua personagem central, dir-se-ia reproduzindo a dependência das outras personagens: Ove é um viúvo com tendências suicidas que, em boa verdade, apenas dialoga com a campa da mulher; obcecado pela ordem e limpeza, a sua odisseia tem tanto de dramático como de cómico.

Com um misto de aplicação e maniqueísmo, apoiado no rigor do ator principal (Rolf Lassgard), o realizador Hannes Holm faz um filme que se satisfaz com variações mais ou menos inspiradas sobre uma situação definida logo nos primeiros minutos.

O maior mistério é mesmo o facto de esta convencional produção sueca ter conseguido chegar a uma nomeação para o Óscar de melhor filme estrangeiro... Decididamente, a Academia de Hollywood precisa de rever as suas regras anuais de apreciação da produção internacional.

Classificação: ** (com interesse)

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.