O caminho até Guernica para fazer no Museu Rainha Sofia

O quadro "Guernica" marca o abandono do "otimismo inicial" de Picasso, para passar a refletir sobre o terror, disse o diretor do Museu Reina Sofia, Manuel Borja-Villel, na apresentação da mostra "Piedade e terror em Picasso", em Madrid

A exposição narra o caminho criativo e a "metamorfose" de Picasso (1881-1973), perante a emergência da "guerra e do nazismo", que o levou a conceber "Guernica", em 1937, por encomenda do Governo da II República de Espanha, para a Exposição Universal de Paris, sublinhou Borja-Villel.

Daí o título da mostra, "Piedade e terror em Picasso: o caminho até Guernica", a inaugurar na quarta-feira, para celebrar o 80º aniversário da criação do quadro, e os 25 anos da chegada da obra ao museu Reina Sofia (Rainha Sofia).

Patente até 04 de setembro, trata-se de "uma grande exposição" que reunirá perto de 180 obras-primas do artista, vindas da coleção do museu e de mais de 30 instituições de todo o mundo, como o Museu Picasso e o Centro Georges Pompidou, de Paris, a Tate Modern, de Londres, os museus de Arte Moderna e o Metropolitan, de Nova Iorque, entre outros, assim como da coleção privada de Claude Ruiz-Picasso.

Segundo o diretor do museu espanhol, ao contrário de outras retrospetivas, "esta centra-se na evolução do universo pictórico de Picasso, tendo 'Guernica' como epicentro, e percorrendo o período que vai da década de 1920 aos anos 40, em que o artista provocou uma mudança radical na sua obra".

"Antes de 1937, Picasso estava perplexo. Com os acontecimentos [da guerra], o terror, o medo e a morte converteram-se no seu tema. Está presente em algumas das suas obras, como 'As três bailarinas'", disse o comissário da exposição Timothy J. Clark, investigador da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos.

A comissária Anne M. Wagner, também da universidade californiana, destacou os desenhos a vermelho e negro do artista, nos quais aborda a morte de inocentes, até chegar a "Guernica": "Não há homens e essa é a razão por que ['Guernica'] atraiu de forma poderosa o público".

A par da exposição, o Reina Sofia publicará um catálogo, organizado pelos comissários, e um segundo livro com documentação sobre as viagens do quadro, até ao seu regresso a Espanha, em 1981.

Será igualmente criada uma área de consulta sobre a obra, no sítio do museu na internet, no âmbito do Fundo Documental Guernica, do Museu Rainha Sofia.

Quanto ao quadro, que apresenta "algumas fissuras" e "zonas de fragilidade", Borja-Villel disse hoje à imprensa que não será sujeito a restauro. "Estudamos apenas a possibilidade de retirar o verniz", colocado em 1992.

"Guernica", pintura a óleo sobre tela, de 349,3cm de altura e 776,6cm de largura, mostra os horrores do bombardeamento à cidade basca de Guernica, por aviões alemães do regime nazi, apoiando o ditador Francisco Franco, em 26 de abril de 1937, durante a Guerra Civil de Espanha, naquele que foi visto como um teste dos bombardeamentos aéreos da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Alguns anos antes de morrer, Picasso pediu para que o quadro só fosse devolvido a Espanha quando as liberdades públicas fossem restauradas no país.

"Guernica", o quadro, chegou a Espanha em 1981, depois da morte do ditador Francisco Franco (1939-1975) e da restauração da democracia, em 1977. Ficou depositado no Museu do Prado, tendo sido transferido para o Reina Sofia em 1992.

Depois da Exposição de Paris, em 1937, o quadro de Picasso foi exibido em Oslo, Copenhaga, Estocolmo e Gotemburgo, Londres, Leeds, Liverpool e Manchester.

Em 1939, antes do início da II Guerra Mundial, o quadro foi enviado para os Estados Unidos, onde foi mostrado no Museu de Arte Contemporânea de São Francisco, primeiro, e no Museu de Arte Moderna (MoMA), de Nova Iorque, mais tarde, instituição onde se manteve até 1981, depois de breves passagens por cidades como Chicago e Filadélfia, e pelo Brasil, na década de 1950.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.