Tom Petty morreu de sobredosagem acidental de opiáceos

Músico norte-americano sofria de enfisema pulmonar, tinha problemas no joelho e uma fratura no quadril.

O músico norte-americano Tom Petty, falecido em outubro com 66 anos, morreu devido a uma sobredosagem acidental de opiáceos, de acordo com os resultados da autópsia divulgados hoje pela família.

A viúva do artista, Dana Petty, e uma das suas filhas, Adria Petty, explicam, num comunicado na página oficial na Internet de Tom Petty, que sabiam que ao músico tinham sido prescritos medicamentos para a dor e estavam convictas, antes dos resultados forenses, de que a morte foi um "infeliz acidente".

Petty sofria de enfisema pulmonar, tinha problemas no joelho e uma fratura no quadril.

Os familiares de Petty revelaram que, entre outras substâncias, o músico tomava fentanil, que esteve, também, na origem da morte do cantor Prince.

Este analgésico é entre 80 e 100 vezes mais potente que a morfina e entre 25 e 40 vezes mais forte que a heroína, de acordo com informação de 2015 da Agência Antidrogas norte-americana.

"Apesar da sua dolorosa lesão, insistiu em manter os compromissos com os seus fãs e deu 53 concertos na sua 'tournée' com uma fratura no quadril", referiram as familiares de Tom Petty, acreditando que o resultado da autópsia pode desencadear um debate maior sobre a epidemia de consumo de analgésicos nos Estados Unidos da América.

Para a família do músico, trata-se de "uma discussão saudável e necessária", esperando que este anúncio ajude a salvar vidas.

O músico, que tinha sido hospitalizado depois de sofrer um ataque cardíaco na sua casa em Malibu, morreu em 02 de outubro.

Autor de êxitos como "Free Falin", "Refugee" e "American Girl", Tom Petty era uma figura conhecida do rock norte-americano e estava em digressão para assinalar os 40 anos de carreira com a banda que habitualmente o acompanhava, The Heartbreakers.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.