Miley Cyrus vai entrar na série de Woody Allen

A cantora confirmou a sua participação na série de televisão que Woody Allen vai realizar.

Miley Cyrus colocou uma imagem do realizador na sua conta de Instagram, comentando como está contente por ir trabalhar com Allen e contracenar com Elaine May.

Esta será a estreia do realizador Woody Allen, de 80 anos, na televisão. A série ainda não tem nome e de acordo com a imprensa especializada a gravação deverá começar em março. Allen tem até ao final do ano para terminar o projeto, que será depois exibido na Amazon Prime. Vão ser seis episódios de meia hora e apesar de se saber pouco sobre a história já se sabe que a ação se passa na década de 1960. Woody Allen escreveu os guiões, vai realizar e também interpretar, e o primeiro nome do elenco que foi conhecido foi Elaine May (que já tinha trabalhado com ele em Vigaristas do Bairro, em 2000).

A cantora e atriz Miley Cyrus, de 23 anos, tem já uma longa carreira, que começou quando era ainda miúda e interpretou Hannah Montana no Disney Channel. Depois de êxitos como Wrecking Ball e We Can't Stop, apareceu no mês passado no programa A Very Murray Christmas, o especial de natal de Bill Murray no Netflix:

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.