Metallica tocam "A minha casinha" dos Xutos em Lisboa

Loucura na plateia do Altice Arena

Passavam já vinte minutos das 21.30, a hora anunciada para o início do concerto dos Metallica na Altice Arena, quando os primeiros acordes de It's a long way to the top (if you wanna rock 'n' roll) foram recebidos pela plateia como se a própria banda californiana os tocasse. A música dos AC/DC é um clássico pré show quase tão marcante como Ecstasy of Gold, de O bom, o mau e o vilão, que cinco minutos depois deu o mote para a entrada dos Metallica em palco ao som de Hardwired... to self destruct.

A canção que dá o título à digressão que recomeçou esta quinta-feira em Lisboa foi recebida com entusiasmo, tal como Atlas Rise, que também é a segunda música do último álbum dos norte-americanos. Mas o pavilhão só explodiu mesmo quando Seek and destroy, do primeiro álbum do grupo, começou a ser tocada.

Mas o momento da noite chegou a meio do concerto, quando o baixista da banda, Robert Trujillo, anunciou uma dedicatória a Zé Pedro, dos Xutos e Pontapés, e juntamente com o guitarrista Kirk Hammett arriscaram uma nada mal conseguida versão de A minha casinha. Escusado será dizer, loucura na plateia.

Daí para frente, a mesma receita: frenesim ao som dos clássicos, entusiasmo moderado perante as músicas mais recentes. Uma reação que se percebe ao olhar para o público que enche o antigo Pavilhão Atlântico: poucos são aqueles com menos de 30 anos, fãs (muitos deles estrangeiros, note-se) que cresceram a ouvir os mais famosos dos big four do thrash metal, que já vão a caminho dos 40 anos de carreira.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.