Melodrama com Hollywood em pano de fundo

CAFÉ SOCIETY Woody Allen

Serenamente, Woody Allen prossegue a sua longuíssima carreira (completará 81 anos a 1 de Dezembro). Recentemente, terminou uma série de televisão e já está a rodar um novo film, com Kate Winslet e Justin Timberlake, a ser lançado em 2017. Entretanto, chega-nos o magnífico Café Society, que teve honras de abertura oficial, em Maio, no Festival de Cannes.

Estamos perante uma deambulação romanesca tendo Hollywood como pano de fundo Hollywood na década de 1930, época de muitas e festivas atribulações, marcada pela consolidação do cinema sonoro.

E se é verdade que o realizador não perde a oportunidade de expor de forma mais ou menos irónica, por vezes cruel, a sua visão da "fábrica de sonhos", não é menos verdade que o essencial está na oposição Nova Iorque/Los Angeles, protagonizada pela personagem de Jesse Eisenberg, novaiorquino à procura de sucesso nas paisagens da Califórnia; a sua relação com a jovem secretária interpretada por Kristen Stewart condensa o essencial: uma viagem melodramática pelos encantos e desencantos do impulso amoroso.

Classificação: **** muito bom

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.