Meia dúzia de exposições para ver em Madrid até acabar o verão

Hollywood e a realeza, o Senegal elegante ou o México em retratos. Que mundo cabe num festival de fotografia?

Numa cena da série The Crown (Netflix), a rainha Mary, mãe de Isabel II, diz à filha mais nova, Margaret, falando de um conjunto de fotografias: "Vamos ver o trabalho magnífico do Cecil. Ele realmente excedeu-se desta vez". O diálogo pode ser ficção, mas a pessoa existiu. E esta é uma das exposições do programa da PhotoEspaña - Festival Internacional de Fotografia e Artes Visuais.

1. O que têm em comum Audrey Hepburn, Churchill e Isabel II?


Cecil Beaton (1904-1980) foi o fotógrafo oficial da casa real britânica e autor destas fotografias da princesa, apenas uma parte do longo trabalho que desenvolveu entre as décadas de 20, em plenos Anos Loucos, e a de 70, entre músicos como Mick Jagger ou modelos como Twiggy. "Soube adaptar-se", nota Oliva Maria Rubio, curadora da exposição Ícones do século XX, que se encontra na Fundación Canal até 19 de agosto. Passam 50 anos desde a primeira retrospetiva do seu trabalho na National Portrait Gallery, em Londres.

Beaton passa por Hollywood nos anos 30, está na frente de batalha durante a II Guerra Mundial, enviado pelo Ministério de Informação britânico e na swinging London dos anos 60. A exposição percorre os vários universos que tocou. A abrir, Hollywood e as suas estrelas, fotografadas em suítes de hotel que ele mesmo decorava - Marylin Monroe, Marlon Brando e as duas Hepburn. Audrey, grande amiga do fotógrafo, e Katherine, com quem as relações não foram boas, como escreveu num dos seus seis volumes de memórias. Neles relata também a paixão por Greta Garbo. Mantiveram uma relação intermitente entre 1946 e 47. Pediu a atriz em casamento. Ela recusou.

Entre os retratos de gente das artes e letras, o aristocrata Stephen Tennant merece destaque. Numa festa em sua casa, Cecil Beaton conheceu os Young Bright Things, um grupo de jovens intelectuais e boémios. "Foi o princípio de uma nova vida", disse. Na sua casa, em Ashcombe, Inglaterra rural, passou a ser ele o anfitrião de festas onde as pessoas de disfarçavam, incluindo o próprio. A câmara fotográfica estava sempre com ele.
A seleção de fotos desta exposição pisca o olho ao país anfitrião. Há imagens de Pablo Picasso, Salvador Dalí e a sua mulher, Gala, de uma jovem Sofia de Espanha ou do toureiro Dominguín. Foram escolhidas entre 100 mil negativos e 10 mil impressões vintage e 42 álbuns do próprio Cecil Beaton, adquiridos pela Sotheby's em 1977 ao próprio fotógrafo. A leiloeira gere este fundo desde então.

2. Dentro da piscina, com Maria Svarbova

"A arquitetura, as linhas puras, geometria e simetria que inspiram as minha fotografias", diz Maria Svarbova, autora da série Piscina, que pode ser vista na loja Delpozo, uma das sedes convidadas desta edição de PhotoEspaña (fica até 26 de agosto). Não é encontro acidental: Josep Font, diretor artístico da marca, socorreu-se das imagens da artista eslovaca para a sua mais recente coleção de roupa da marca.

Maria, 30 anos acabados de fazer, começou há quatro anos a fotografar piscinas dos anos do comunismo. Destacam-se pelas cores, uma mistura de tons pastel e outros mais vibrantes. Conta que atualmente os seus trabalhos envolvem cenógrafos, produtores de moda e modelos e que se preocupa "muito" o momento antes de carregar no botão da máquina. "Se calhar demora um mês a preparar e uma hora a tirar a fotografia".

Uma das marcas do trabalho é a repetição, outra inspiração do bloco de leste. Começou com uma brincadeira com uma aplicação no telefone. "Repeti uma, achei interessante, recordou-me a Spartakiada [exibições de ginástica de massas] e usei esse esboço no telefone para o meu trabalho em photoshop".

3. O Senegal Elegante da primeira metade do século XX

"Um homem encontrou um envelope com os negativos destas fotografias no momento em que desfazia a casa", explica Fredérique Chapuis, comissária da exposição Senegal Elegante, que está no Círculo de Belas Artes, em Madrid, até 16 de setembro. "Não sabemos quem é o autor, nem como ali foram parar, não sabemos se são os familiares de quem as tirou ou se é um fotógrafo profissional que ia à casa das pessoas", completa. São 30, muitas de mulheres, "e levam-nos para as suas casas, para a sua intimidade". A curadora chama a atenção para uma delas, em que se vê uma mulher diante de um conjunto de fotografias. "Era uma tradição quando uma rapariga se casava, tirar estas fotografias que a família e vizinhos iam deixando e que se penduravam na parede".

Esta é uma exposição a duas vozes: a do autor destas imagens capturadas na cosmopolita Saint-Louis da primeira metade do século XX e as de Mama Casset. "De um só temos os negativos, de outro, que conhecemos bem, só nos restam pequenas imagens", diz o co-comissário Jean Loup Pivin. Mama Casset, que desenvolve o seu trabalho em estúdio, perdeu tudo num incêndio em 1982. Ainda assim mantém-se como referência da fotografia senegalesa, referem os comissários sobre as imagens da coleção Revue Noire, uma revista fundada em 1991 para dar visibilidade à arte contemporânea africana.

4. O que conta a fotografia soviética


Aleksander Rodchenko, Yevgeny Khaldei, Georgi Zelma, entre outros nomes importantes da fotografia russa do século XX, encontram-se no arquivo Lafuente e podem ser vistos na exposição que ocupa o primeiro andar do Círculo de Belas Artes, em Madrid, até 16 de setembro.

José María Lafuente, fundador e colecionador estudava montagens de Rodchenko junto de um colecionador norte-americano, o primeiro a entrar na União Soviética e a conhecer os seus artistas. As primeiras imagens, de Moscovo, não o impressionaram Lafuente, mas Georgi Zelma sim.
Acabaria por ficar com esta coleção e foi dela - cerca de 800 impressões - que escolheu as fotografias da exposição.

O que encontrou com o colecionador são primeiras impressões dos próprios fotógrafos ou realizadas por eles. "Tenho pena que não possam ler as legendas atrás, com indicações dos próprios fotógrafos", desabafa.

Destaca uma: Khalei fotografado no julgamento de Nuremberga, que fotografou, com a máquina de Robert Capa na mão. "Acreditamos que a foto foi tirada pelo Robert Capa".

5. Retratos do deserto mexicano


Graciela Iturbide, nascida no Méxco em 1942, recebeu este ano o prémio internacional de fotografia Alcobendas e é no centro cultura desta cidade satélite de Madrid, até 25 de agosto, e também dentro da programação da PhotoEspaña, que se expõe uma retrospetiva do seu trabalho.

A fotógrafa mexicana começou a dedicar-se por inteiro à fotografia em 1974. Uma das suas imagens mais reconhecidas é a Nossa Senhora das Iguanas, tirada em Juchitán, em 1979. Faz parte de uma longa série em que a artista retratou mulheres desta região do México.

Outra série representada na retrospetiva é No Banho com Frida. Em 2006, mais de 50 anos volvidos sobre a morte de Frida Khalo, Graciela Iturbide foi uma das fotógrafas convidadas para registar aposentos muito íntimos da pintora mexicana. Selecionou alguns objetos pessoais, como os seus reconhecíveis coletes ou a bata que usava para pintar e fixou-os no seu quarto de banho. Algumas imagens desta série também estão no centro cultural
E se bem que o México seja o seu cenário de eleição - do deserto de Sonora a Oaxaca - aqui também se encontram autorretratos e fotografias da sua passagem por Índia, Espanha, EUA, Itália ou Madagáscar.

6. A vertigem de Carmen Calvo

No Museu Cerralbo, até 16 de setembro, a artista espanhola Carmen Calvo apresentaInquietud y Vértigo, uma seleção das suas obras em que a fotografia é a base de trabalho.

Em dia de tomada de posse de novos ministros de Espanha, calhou-se partilhar nome com a nova vice-presidente do governo. "Ela é que me imita a mim, porque eu nasci primeiro".

A artista começou a trabalhar nos anos 70, ainda em período franquista, mas foi só no final dos anos 90 que começou a resgatar de mercados de rua coleções de imagens que depois manipula com cor e objetos, à medida dos seus projetos. Esteve recentemente em Portugal para a ARCO Lisboa. "Em Portugal entendem muito bem o meu trabalho".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.