Mario Testino vai vender metade da sua coleção de arte

Em setembro, o fotógrafo vai leiloar cerca de 500 obras da sua coleção pessoal, de artistas como Gilbert & George, Vik Muniz ou Richard Avedon.

Mario Testino é conhecido sobretudo como fotógrafo de moda e de celebridades. O seu trabalho aparece em publicações como a Vogue, a Vanity Fair e a GQ e o peruano, que se estabeleceu em Londres em 1976, já criou a imagem para marcas como a Gucci, Versace, Chanel e outras. Mas ele é também um grande colecionador de arte - e agora vai vender parte da sua coleção.

São mais de 500 obras de arte contemporânea, de artistas tão conhecidos como Tracey Emin ou Gilbert & George, que vão estar expostas em setembro na leiloeira Sotheby, em Londres, antes de serem vendidas, a 13 e 14 de setembro.

Testino explica que começou por comprar fotografias, porque esse era o seu primeiro e grande interesse - a primeira foi uma fotografia da atriz Vivien Leigh pelo artista surrealista Angus McBean. Depois, ele continuou a comprar obras de fotógrafos que o inspiravam, como Cecil Beaton e Richard Avedon. "Hoje em dia a beleza é considerada um pouco banal, um pouco vazia e um pouco superficial. No mundo da arte, muito provavelmente, não se pode pronunciar essa palavra, porque não é suficientemente interessante ou profunda. Mas eu fico sempre maravilhado com a beleza", explicou o fotógrafo.

Depois, e com a orientação da galerista Sadie Coles, Testino começou a comprar outras obras de arte, para além de fotografias. "Comecei a colecionar coisas que me fascinavam, que não eram como eu." Uma dessas obras foi Blue Sauna, da artista brasileira Adriana Varejão. Ao longo de 30 anos, Testino reuniu uma coleção importante com obras de artistas de 45 diferentes países. Vik Muniz (Brasil), Georg Baselitz (Alemanha), Oscar Murillo (Colômbia) são alguns dos artistas presentes na coleção.

De acordo com a BBC, a peça mais cara que vai estar neste leição será SP114, um quadro do americano Sterling Ruby, que deverá atingir 600 a 800 mil libras (920 mil euros).

No total, a coleção de Mario Testino tem mais de mil peças. O fotógrafo decidiu vender metade da coleção. Não foi uma decisão fácil, explicou, mas o objetivo é conseguir 8 milhões de libras (9,2 milhões de euros) que servirão para financiar o Museo MATE, que um projeto que Testino criou em 2013 na cidade de Lima, capital do Peru. Dada a dificuldade em arranjar patrocinadores, esta foi a solução encontrada. "Estou a vender porque tenho esta oportunidade única de mudar algo no meu país", explicou.

Na sua página de Facebook, Testino publicou este vídeo:

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG