Kate Winslet e Idris Elba protagonizam drama “fora de moda”

A Montanha entre Nós, história de sobrevivência de um homem e uma mulher, é uma produção americana com realização de Hany Abu-Assad, cineasta da Palestina

Na sua objetividade, eis uma descoberta cinematográfica que envolve uma inesperada ironia. Assim, Hany Abu-Assad é um cineasta palestiniano (n. 1961) que assinou alguns títulos magníficos sobre a complexidade das relações entre palestinianos e israelitas, com destaque para Paradise Now (2005), título que entrou na história como o primeiro representante da Palestina a obter uma nomeação para o Óscar de melhor filme estrangeiro. Agora, encontramo-lo a dirigir A Montanha entre Nós (estreia-se hoje), objeto tanto mais desconcertante quanto se trata de uma produção tipicamente americana, com chancela de distribuição de um grande estúdio (20th Century Fox).

Dir-se-ia um daqueles filmes de realismo ambíguo, ambiguamente romântico, típico da produção de Hollywood nas décadas de 1930-40, centrado na energia de um par mais ou menos insólito - por exemplo, Claudette Colbert e Clark Gable. Agora, Kate Winslet e Idris Elba interpretam dois desconhecidos que se cruzam na agitação de um aeroporto, enfrentando a mesma urgência: face ao adiamento do seu voo, decidem alugar uma pequena avioneta para chegarem a tempo ao seu destino; têm um acidente e ficam isolados numa zona de altas montanhas cobertas de neve...

Repare-se: referir estas peripécias não contraria o princípio básico segundo o qual um texto deste teor não deve revelar demasiadas peripécias do filme, garantindo ao leitor/espectador a possibilidade de ser ele a descobri-las. De facto, todas estas informações estão no trailer de A Montanha entre Nós, sinal de que o filme opta por se concentrar na dramática experiência de sobrevivência dos protagonistas.

Nesta perspetiva, a imponência da paisagem, muito para além de qualquer efeito banalmente “decorativo”, surge como fundamental elemento dramático - destaca-se, aliás, o magnífico trabalho de imagem de Mandy Walker, diretora de fotografia australiana que já trabalhou, por exemplo, com Baz Luhrmann, em Austrália (2008), ou Catherine Hardwicke, em A Rapariga do Capuz Vermelho (2011).

Hany Abu-Assad sabe manter o seu filme num tom de aventura contraditória - o cenário é imponente, quase místico, mas as necessidades imediatas das personagens são as mais básicas - que não abdica de jogar todos os trunfos emocionais deste modelo de narrativa, aliás devidamente sustentados pela competência de Kate Winslet e Idris Elba. O resultado é um filme serenamente atípico, “fora de moda”, escolhendo as leis de uma dramaturgia capaz de dispensar as facilidades dos efeitos especiais, mantendo-se fiel ao misto de grandiosidade e irrisão que pode definir a dimensão humana.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG