Julieta e Romeu saídos de quadros de museu

Estreia esta noite (20.00) no Teatro de São Carlos I Capuleti e i Montecchi, ópera de 1830 de Vincenzo Bellini. Ou seja, a tragédia de Romeu e Julieta vista a partir das fontes originais italianas. Produção marca estreia entre nós do encenador Arnaud Bernard. Direção musical é de Giampaolo Bisanti.

A história é a de Romeu e Julieta, sim, mas a trama não é a que se antecipa. A versão de Shakespeare imortalizou-se de tal modo que não concebemos outro fio narrativo senão esse, mas a verdade é que Bellini e o seu libretista, Felice Romani, foram "beber" a outras fontes. E assim nasceu Os Capuletos e os Montéquios, estreada em 1830 em Veneza e que a partir de hoje estará em São Carlos, numa produção assinada por Arnaud Bernard estreada há cinco anos, em Verona.

"O espetador tem como referência Shakespeare e, na ópera, a versão de Gounod (baseada em Shakespeare), que já fiz umas 13 ou 14 vezes. Ora tal não sucede aqui. Pelo que a minha função será dar ao espetador uma referência forte o bastante para que não saia desiludido com esta versão, evidentemente menos forte que a de Shakespeare", disse o encenador ao DN.

Ora isso faz-se, explica Bernard, "criando uma teatralidade que não é patente no material de partida. Trata-se, na realidade, de fabricar momentos de conflito que não existem e criar relações/polos de tensão que não nos são dados. De outro modo, tudo seria plano e se tornaria maçador!" E, com isso, "conseguir extrair uma força shakespeareana num objeto teatral diferente dessa fonte".

Um trabalho que classifica "muito peculiar e fora do habitual" num território que também o é: "É na verdade a primeira vez que enceno uma ópera de Bellini! E esta necessidade de preencher dramaturgicamente a obra torna-a muito interessante enquanto objeto."

A enquadrar tudo, a ideia cénica, que diz "muito "naïf" e simplória, mas eficaz". O emprego do verbo "enquadrar" não foi inocente, porque são literalmente quadros vivos o que vemos acontecer no palco, tal uma "variação" sobre o filme Uma noite no museu: "Precisava de algo teatral e visualmente forte e que desse um fio contínuo à história. Ao estudar a obra, sobreveio a impressão de personagens cristalizadas, sem evolução, como figuras num quadro, num qualquer museu. E "voilà!": "façamos um museu!", disse para os meus botões. Então, tudo se anima e se faz outra(s) coisa(s): as personagens saem de quadros, no início e, no final, regressam à sua condição primitiva.

Tudo obedecendo ao seu princípio de que "o teatro bom é simples e feito de (poucas) ideias simples e fortes". Certo é que, diz-nos, "desde 2013, já vários encenadores copiaram esta ideia..."

Nos figurinos, faz coabitar "trajes renascentistas das personagens da história com as vestes modernas dos funcionários do museu". E renascentistas, esclarece, "porque sim! Foi uma decisão puramente estética. Remetê-los para a Idade Média incorreria muito facilmente no mau gosto, no ridículo, em mau filme americano. O Renascimento é uma época mais bela e menos perigosa nesse campo..."

Depois de Verona, esta produção já esteve no Fenice de Veneza, em Atenas, Omã e Oviedo. E Arnaud seguiu sempre o périplo: "Faço-o por regra, sabe? Também porque o meu estilo tem por alicerce uma grande energia e envolvimento físico em cena e essa eu tenho que a transmitir pessoalmente. Aqui, temos uma história violenta e uma música que, se bem que seja "belcanto", é a meu ver também ela violenta e requer muita energia e empenho vocal e físico. Por isso, a encenação, a dramaturgia tem outrossim de ser violenta." Uma abordagem que, diz, "surpreende muitos - então neste repertório!" mas que quer mesmo assim: "tem que sair das entranhas".

E de cada personagem individualmente, como do coro, que tem papel importante nesta obra, ele pretende o mesmo: "Que façam cinema em palco."

Nesta produção, o par protagonista é encarnado pela mezzo italiana Alessandra Volpe (Romeo é um papel "travesti") e pela soprano romena Mihaela Marcu. A primeira estreia-se no papel em Lisboa (era um dos seus "papéis de sonho") e Arnaud não mede os adjetivos: "É maravilhosa, fantástica, uma voz excelente e uma disponibilidade total. E, creia: de um profissionalismo raro." Já da segunda, que cantou nesta produção em Veneza e em Omã, diz que "por si só, ela contribui com 80% para a força deste espetáculo"!Quando tudo termina, os amantes mortos, ao centro, são rodeados pelo pai de Julieta, chefe dos Capuletos, e pelo seu séquito. E este "aponta o dedo" ao líder como único culpado pela tragédia. "O tema principal desta ópera e a intolerância. A rivalidade cega entre clãs que oblitera o amor, mas este no fim mostra ser mais forte e a intolerância, por seu turno, vê-se punida", conclui o encenador.



"I Capuleti e i Montecchi", Bellini

maestro: Giampaolo Bisanti

encenador: Arnaud Bernard

elenco: Mihaela Marcu, Alessandra Volpe et al.

Coro São Carlos, Orq. Sinf. Portuguesa

récitas: 14, 16, 18, 20 (20.00) e 22 (16.00)

bilhetes dos 20 aos 70

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG