Isabel Mota, mulher, economista e de Lisboa. E presidente

Isabel Mota tomou esta quarta-feira posse como presidente da Fundação Calouste Gulbenkian: com os olhos no futuro.

No momento em que Santos Silva, então presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, desafiou Isabel Mota a assumir o cargo, a imagem que lhe ocorreu imediatamente foi "aquela sucessão da galeria de retratos dos presidentes desta casa" - José Azeredo Perdigão, Ferrer Correia, Victor de Sá Machado, Emílio Rui Vilar e Artur Santos Silva. Todos homens. "Realista" como é, ela sentiu "uma certa pressão face à magnitude da tarefa". "Mas como sou uma mulher de coragem, e sei que na vida nada acontece por acaso e tudo tem o seu tempo, foi com determinação que assumi este desafio", declarou, na cerimónia de tomada de posse, a nova presidente da Fundação, perante um auditório lotado onde se viam personalidades como o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, os ex-presidentes Jorge Sampaio e Aníbal Cavaco Silva, o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente e muitas outras.

Isabel Maria de Lucena Vasconcelos Cruz de Almeida Mota sabe que está a romper a "tradição coimbrã da Faculdade de Direito" naquele cargo: "Sou mulher, economista e de Lisboa - mas julgo que é mais uma prova da extraordinária capacidade de adaptação e evolução da Fundação".

Ser a primeira mulher no cargo não a inibe. Isabel Mota sabe que só conseguiu chegar aqui com o apoio da família e, por isso, dedicou as últimas palavras do discurso às suas netas para lhes dizer que "uma carreira profissional é apenas, e só, uma parte importante da nossa vida". E explicou: "A realização pessoal vai muito além, e exige escolhas, sensibilidade e bom senso que preservem o essencial - o amor, a família e a integridade. Conciliar uma carreira com a família é um desafio também para os homens, mas a verdade é que as mulheres têm-se confrontando com mais dificuldades e incompreensão e têm feito um longo e persistente caminho na procura da igualdade." E concluiu: "Espero sinceramente que daqui a cinco anos todos os que têm confiado em mim tenham orgulho no meu mandato como a primeira mulher Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian." Após estas palavras só poderia seguir-se uma enorme uma ovação.

A agenda da nova presidente

Com um enorme retrato do fundador, Calouste Gulbenkian, por trás, a presidente lembrou que conhece bem aquela casa, onde trabalha há mais de 20 anos, e refletiu sobre os desafios que enfrenta no futuro: "Entre o local e o global, a Fundação deve continuar o seu trabalho filantrópico enquanto instituição portuguesa aberta ao mundo". E pediu ajuda a Almada Negreiros, que tem neste momento ali uma enorme exposição, e à sua definição de "moderno", para estabelecer aquele que é, na sua opinião, "o principal desígnio da Fundação": "antecipar o futuro e apostar na inovação, ajudando a preparar os cidadãos de amanhã".

Foi com este pressuposto que Isabel Mota assumiu três compromissos para o seu mandato: com o futuro (acompanhando os novos tempos e antecipando as questões essenciais da sociedade); com os mais vulneráveis (e que mais necessitam de apoio); com a cultura (arte, educação e ciência). A coesão social, a sustentabilidade e o conhecimento são, aliás, para a presidente, os três pilares fundamentais da ação da Fundação.

Na sua agenda tem, por exemplo, afirmar a Fundação como "impulsionadora da preparação das novas gerações e das novas lideranças" e potenciar a criação artística "nas suas infinitas possibilidades, ativando o papel cívico da cultura".

Do ponto de vista funcional, quer Isabel Mota quer o presidente cessante, realçaram a necessidade da Fundação ter uma estratégia única assim como a importância de aumentar a flexibilidade da organização: "Manter a liberdade de opção nos caminhos a seguir, sem nunca diminuir a qualidade daquilo que fazemos, mas com a consciência de que a prudência na gestão dos recursos exige sempre escolhas."

Santos Silva foi ainda mais contundente: "A dimensão, a solidez e a rentabilidade do património da Fundação deverão constituir a sua primeira prioridade", afirmou, lembrando que, apesar de a sustentabilidade não estar em causa, a instituição não está imune ao mercado: "o fundo de capital conheceu nos últimos cinco anos uma redução em 125 milhões de euros para 2 520 milhões de euros". Porém, salientou, há boas notícias: os ativos do petróleo e do gás, que representavam 38% em 2011, situam-se agora nos 11%. Perante estes dados, o anterior presidente insistiu que se deve continuar "o reforço de racionalização" da Fundação.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.