Visitante derruba e parte estátua de São Miguel no Museu Nacional de Arte Antiga

ATUALIZADA. Esta manhã, um turista brasileiro derrubou uma estátua de madeira, do século XVIII. Ministério garante que "danos são reversíveis"

"Este domingo, de manhã, enquanto recuava, para tirar uma fotografia, um turista brasileiro tocou acidentalmente numa escultura barroca de madeira", confirmou ao DN fonte oficial do Museu Nacional de Arte Antiga. O incidente ocorreu no novo Piso 3, na Galeria de Escultura Portuguesa, "mas ninguém se magoou e a equipa de conservação e restauro já foi chamada", adiantou a mesma fonte. A sala já está fechada, devendo reabrir na terça-feira.

A situação ocorreu neste domingo, o primeiro do mês e, como tal, de entrada gratuita. No Facebook, onde o acidente foi denunciado por Nuno Miguel Rodrigues, ao post "o pior dia para visitar o MNAA" este visitante juntou o comentário "é o preço a pagar pela gratuitidade do primeiro domingo de cada mês". O post foi mais tarde retirado desta rede social.

A estátua estava nesta galeria desde julho, altura em que foram inauguradas as novas salas do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), no terceiro piso do edifício. Segundo Teresa Bizarro, assessora do Ministério da Cultura, uma primeira avaliação conclui que os "danos são reversíveis", afirmou à Lusa. A assessora adiantou ainda que um dos vigilantes do museu terá ainda avisado o turista para não recuar mais, mas este não o ouviu a tempo. Teresa Bizarro admitiu que, nos próximos dias, a direção do museu irá analisar o caso com maior profundidade, podendo inclusivamente escolher outro local para expor a estátua.

Lembre-se que no final do verão, António Filipe Pimentel, diretor do museu, convidado a participar na Escola de Quadros do CDS, classificou a situação do Museu de Arte Antiga de "calamidade".

"São 64 pessoas para 82 salas abertas ao público. De certeza absoluta que um destes dias há uma calamidade no museu. Só pode, porque andamos a brincar ao património. Mas a esta altura todas as tutelas dispõem de toda a informação cabal do que vai acontecer, mas quando acontecer, abre os telejornais", disse na altura António Filipe Pimentel, citado pela Lusa.

A estes dados pode acrescentar-se outro, apurado pelo DN: são menos de trinta os vigilantes para essas mesmas 82 salas.

Estátua de São Miguel Arcanjo

Na altura, as declarações de António Filipe Pimentel criaram algum mal-estar entre o Ministério da Cultura e o diretor do Museu, situação que acabou por ser ultrapassada após uma carta enviada pelo diretor do MNAA na qual pedia desculpas formais à tutela. Nesse documento, a que o DN teve então acesso, António Filipe Pimentel realçava a relação pessoal criada com o ministro da Cultura, "que se tem distinguido pela sua elevada qualidade". "É à sua luz - porque as instituições se fazem de pessoas -, que peço queira aceitar este pedido de formais desculpas", lia-se.

À Lusa, Teresa Bizarro assegurou que este acidente "não tem nada a ver" com o alerta lançado por António Filipe Pimentel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?