Um Titanic feito de 220 mil peças Lego em Lisboa

No dia em que se comemoram os 104 anos do naufrágio do navio, a MEO Fan Event anuncia que a sua nova edição terá uma réplica do Titanic. O evento, que decorre entre 23 de abril e 1 de maio, vai também juntar-se à iniciativa "Vamos Pôr o Sequeira no Lugar Certo".

Com o objetivo de ultrapassar a fasquia recorde de 40 mil visitantes do ano passado, a MEO Fan Event está de regresso a Lisboa para mais uma edição do certame.

Desta vez, o grande foco é uma réplica, a maior a nível mundial, do famoso navio Titanic, à escala de 1:40. Feito em três meses, e com mais de 220 mil peças Lego, a réplica tem 7 metros de comprimento, 1 metro de largura e 1,50 metros de altura. Criado pela empresa Bright Bricks, este modelo foi feito utilizando os planos e as plantas originais do navio que se afundou há 104 anos.

Mas nem só do Titanic vive este certame. Os visitantes poderão também passear-se por cenários incríveis, cheios de construções, onde haverá espaço para ver Barbies criadas pelo The Doll Stylist ou os míticos Hotwheels. Haverá também um espaço de jogos interativos e mais de 70 mil peças Mega Blocks para as crianças, e não só, se divertirem (ainda mais).

Outra das novidades é que a MEO Fan Event, em parceria com a MEO, vai-se associar à iniciativa do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), "Vamos Pôr o Sequeira no Lugar Certo". Sendo assim, os visitantes serão convidados a contribuir com 50 cêntimos. Após o donativo, o visitante tem direito a colocar duas peças Lego num painel onde será construído um pormenor central da peça "A Adoração dos Magos". A totalidade do dinheiro angariado irá reverter para a iniciativa e o painel, que se prevê que conte com 20 mil peças, será oferecido pela MEO ao MNAA.

A MEO Fan Event realiza-se entre os dias 23 de abril e 1 de maio, no Campo Pequeno, entre as 11.00 e as 19.00. A entrada é gratuita para crianças até 3 anos; entre os 4 e os 10 anos terá o preço de 5 euros, e a partir dos 11 anos custará 6 euros.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.