Um escritório com vista para a exposição do MUDE

O arquiteto Miguel Jacobetty Rosa desenhou os interiores de um terceiro andar na Estrela para um amigo. O escritório foi agora doado ao Museu do Design e da Moda.

"Fico contente de ter sido assim", diz Maria do Rosário Cayres Martins, olhando para o escritório do pai, Miguel, agora montado no MUDE - Museu do Design e da Moda, em Lisboa, numa reconstituição à escala real em tudo semelhante à que existia no apartamento na Estrela para onde os pais se mudaram em 1950. Doou-o ao museu, uma maneira de preservar o mobiliário único desenhado pelo arquiteto Miguel Jacobetty Rosa como presente de casamento para os pais.

O arquiteto é o autor da loja Fotocolor, na baixa lisboeta, de que Miguel Martins é um dos fundadores. É ali, aliás, que o empresário trava conhecimento com a futura mulher, Guilhermina Cayres, irmã da mulher do sócio. Quando fica noivo, o casal decide ir viver para um terceiro andar na rua da Imprensa à Estrela, que se manteve por 50 anos exatamente como Jacobetty Rosa delineou no dossiê técnico que serviu de base à fabricação dos móveis de todas as divisões da casa (só os estofos dos sofás foram alterados). Um documento que, tal como o escritório, foi doado à Câmara Municipal de Lisboa e ficará no acervo do MUDE. "Esteve, desde que me lembro, na mesma gaveta da estante", conta a filha.

Na casa, que ficava na rua da Imprensa à Estrela, a única que conheceu, Maria do Rosário sempre ouviu contar a história dos móveis da família, e como Jacobetty Rosa tinha oferecido, como presente de casamento. "Os meus pais sempre tiveram um grande cuidado com as peças. A homenagem que lhes podia fazer era esta", explica ao DN.

Resistindo à ideia de vender os móveis a um comprador de "recheios", foi encaminhada por amigos para uma loja de móveis vintage em Lisboa. Daqui chegou à galeria Bessa Pereira, que expõe (e vende) o restante conteúdo da casa, a partir de quarta-feira. Ao mesmo tempo, uma amiga entrava em contacto com Bárbara Coutinho. MUDE e galeria remaram para o mesmo lado, e haverá, em breve, um catálogo das peças.

O desenho original do Jacobetty

Mistura dos estilos tradicionalista e moderno, a casa é um trabalho único do arquiteto. "Não começou tradicionalista e acabou modernista. Foi pensado", resume Carlos Bártolo, curador da exposição que estará patente na galeria Bessa Pereira.

O escritório poderá ser visto junto à exposição permanente do MUDE até junho (altura em que o museu encerra para obras) e, segundo Bárbara Coutinho mostra uma "perspetiva quase desconhecida do trabalho de Jacobetty, autor do Estádio Nacional e colaborador de Duarte Pacheco, afirma Bárbara Coutinho, que elogia "a consciência patrimonial" da doadora.

Uma história pessoal

Além do pai, Maria do Rosário foi a pessoa que mais usou o escritório. Era lá que estudava quando entrou na universidade para estudar Física. E era lá que ouvia música. "A certa altura havia colunas e discos". O pai, lembra, deixava-a ficar junto dele enquanto cortava e colava filmes.

Maria do Rosário Cayres Martins conta que sempre teve a intenção de ficar com o escritório. Quando comprei a minha casa, comprei-a com uma divisão a pensar no escritório". Mas acabou por considerar que doar o espólio com a assinatura do arquiteto modernista português (1901-1970) foi a melhor solução. "Sinto-me muito melhor do que ter levado para minha casa. Não tenho filhos, isto ia acabar mal de certeza", confidencia, acrescentando: "Estas coisas são para serem partilhadas".

As peças do escritório, por serem as menos usados, foram as sobreviveram em melhor estado à passagem do tempo, reconhecem Maria do Rosário e Carlos Bessa Pereira, da galeria que mostra o restante conteúdo da casa.

Só ficou com um objeto: uma mesa que estava na sala de costura que já estava na sua casa. "Não fazia sentido entregá-la".

A reconstituição do escritório pode ser vista no Museu do Design e da Moda de terça a domingo, das 10.00 às 18.00 (encerra à segunda-feira), até junho, altura em que o museu encerra para obras de requalificação.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.