Shakira volta a ser julgada por plágio

Em causa está uma frase e parte do coro do tema "La Bicicleta"

Vencedor de um Grammy Latino em 2016 e grande êxito do verão do ano passado, o tema La Bicicleta, de Shakira e Carlos Vives, enfrenta uma acusação de plágio. De acordo com o jornal El Mundo, um tribunal madrileno aceitou a acusação e os valores correspondentes aos direitos de autor já estão a ser retidos.

Em causa está uma frase e uma parte do coro da música La Bicicleta.

Um perito em composição comparou este tema com um outro, Yo te quiero tanto, de 1997, e, alegam os requerentes, terá concluído que têm o mesmo ritmo e a mesma linha melódica.

A queixa foi apresentada pelo compositor e produtor cubano Livam e pela sua editora Maryla Dianick Romeu (MDRB Music Publishing) contra Shakira, Carlos Vives, Andres Eduardo Castro, a Sony Music Publishing Latina e outras nove produtoras.

A Sociedade Geral de Autores e Editores (correspondente à Sociedade Portuguesa de Autores) já mandou reter todos os valores correspondentes aos direitos de autor do tema até que o caso seja resolvido.

Já em novembro as duas partes haviam tentado um acordo, em vão.

Esta não é a primeira vez que Shakira se vê envolvida numa acusação de plágio. Em 2014, um juiz de Nova Iorque determinou que o single "Loca" (versão em espanhol), um hit da cantora pop colombiana, era afinal um plágio de uma canção de um dominicano, Ramón Arias Vázquez, cujos direitos eram da produtora Mayimba Music.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.