Quase todo o arquivo de José Mário Branco vai estar online

Quase todo o arquivo do músico José Mário Branco vai estar disponível online a partir de terça-feira, no âmbito de um trabalho de investigação do Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM).

"É um repositório de informação muito importante, porque ilustra a trajetória de um cantautor com muito peso na música portuguesa, e documenta a rede de relações artísticas, como a música, o teatro, a intervenção", afirmou à agência Lusa o investigador Manuel Pedro Ferreira, que preside ao CESEM, da Universidade Nova de Lisboa.

O processo de tratamento do arquivo começou há cerca de três anos, com visitas regulares a casa de José Mário Branco, em particular a uma marquise onde estavam depositadas caixas com documentação.

"Foi-nos emprestando o material, fazíamos a limpeza, o tratamento, a digitalização e devolvíamos. Foi um processo lento", recordou o investigador.

Segundo Manuel Pedro Ferreira, diretor científico do projeto, o CESEM teve 'carta branca' de José Mário Branco para entrar no arquivo profissional. Ficaram de fora algumas gravações por questões contratuais com editoras.

De resto, será possível pesquisar informações relacionadas com o processo de trabalho de José Mário Branco enquanto compositor, intérprete e produtor, sobre o tempo de exílio em França, sobre a colaboração com José Afonso, sobre o trabalho no coletivo Grupo de Acção Cultural - Vozes na Luta, exemplificou o investigador.

"É um arquivo central para se perceber como é o universo da música de intervenção, a relevância política, social e cultural e também para potenciar reinterpretações do repertório. É memória que está ao serviço de uma reutilização", disse.

A base de dados, na qual estará já acessível oitenta por cento do arquivo do músico, é divulgada numa altura em que ainda se assinalam os 50 anos de carreira de José Mário Branco, desde que gravou em 1967 o primeiro EP, "Seis cantigas de amigo", editado dois anos depois pelos Arquivos Sonoros Portugueses.

À boleia dessa efeméride - que o próprio desvaloriza -, a editora Warner reeditou em dezembro todos os álbuns do autor e, na semana passada, lançou um duplo álbum com inéditos e raridades, gravados entre 1967 e 1999, nunca antes editados em digital.

Em maio, pouco antes de completar 76 anos e a propósito da edição de "Inéditos 1967-1999", explicou à agência Lusa que não dá importância nenhuma a efemérides e celebrações de datas redondas. "Não são coisas que me motivem muito, tenho respeito pelo respeito das pessoas, mas essas histórias das efemérides...", afirmou.

Em setembro será o autor em destaque na Feira do Livro do Porto, cidade onde nasceu em 25 de maio de 1942.

A apresentação do arquivo digitalizado de José Mário Branco está marcada para terça-feira, às 17.00, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a presença do autor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".