Quanto custam os bilhetes para o concerto dos U2

Banda irlandesa vai atuar em Lisboa, na Altice Arena, a 16 de setembro

Assistir ao concerto dos U2 na Altice Arena, Lisboa, em setembro, custa entre 37 e 325 euros. A banda irlandesa regressa a Portugal a 16 de setembro e a venda de ingressos, faseada, já teve início.

Ontem, quinta-feira, os subscritores do site U2.com, puderam adquirir bilhetes. E o mesmo acontece no sábado, às 17:00.

O bilhete mais barato, 37 euros, é para uma zona de visibilidade reduzida. Para a plateia em pé o ingresso custa 80 euros. Junto ao palco, na chamada red zone, custa 325 euros. Para os lugares sentados, o preço dos bilhetes varia entre os 100 euros (para o balcão 2) e os 200 euros (balcão 1).

Haverá ainda um pacote vip que poderá custar 338 euros.

A todos estes valores acrescem taxas.

A aquisição de bilhetes inicia-se apenas dia 26 em blueticket.pt e em lojas MEO selecionadas e a venda está limitada a quatro ingressos por pessoa.

Além dos subscritores do site da banda, também quem adquiriu o álbum Songs of Experience na pré-venda, antes de 30 de novembro de 2017, poderão adquirir ingressos mais cedo. Vão receber um código único que dá acesso só a esta segunda pré-venda, que decorre entre 22 de janeiro, às 09:00, e o dia 24 de janeiro, às 17:00.

O concerto realiza-se no âmbito da digressão europeia da eXPERIENCE + iNNOCENCE Tour. Esta é a primeira atuação da banda em Portugal desde os espetáculos no estádiod e Coimbra, em 2010.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.