Precisamos de novos sonhos. Os U2 fazem-no com canções de 1987

Banda irlandesa chegou à Europa com a digressão comemorativa dos 30 anos do álbum "The Joshua Tree", um olhar que Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr. atualizam sem ponta de nostalgia. É a América e o mundo de hoje que são projetados no imenso ecrã e nas palavras e sons de canções que são também manifestos políticos.

O ato é de celebração, as palavras são conhecidas e os gestos já muito ensaiados, mas há algo de refrescante no que ali se festeja: os U2 chegaram à Europa com a sua digressão que comemora os 30 anos do álbum The Joshua Tree e percebe-se que - retirada a carga nostálgica de recuperar um dos melhores discos dos irlandeses - faz sentido ouvir de novo Where the Streets Have No Name ou Bullet the Blue Sky. Uma e outra vez.

Estes tempos, antecipava a banda antes da digressão, parecem completar um círculo regressando ao período de Ronald Reagan/Margaret Thatcher com diferentes personagens. "The Joshua Tree assemelha-se de alguma forma a um espelho das mudanças que estavam a acontecer no mundo", dizia o baixista Adam Clayton. O ato é, pois, também político: os U2 nunca esconderam que olham de forma crítica para o mundo - e este álbum trintão conta-o por todas as espiras.

Em palco, em Londres (as duas primeiras datas europeias aconteceram no passado fim de semana na capital britânica), nas quase duas horas e meia de concerto, a banda também faz da encenação uma forma de luta: um ecrã panorâmico gigante projeta curtas-metragens realizadas por Anton Corbijn (responsável pelas fotos que acompanham o álbum de 1987) e filmadas nos californianos parque de Joshua Tree e Zabriskie Point, no vale da Morte.

Metáforas para estes dias. Em Where the Streets Have No Name, as ruas sem nome são uma longa reta que rasga o deserto com migrantes a caminharem sob o sol (e ali projetado com o sol ainda a fazer-se ver no Twickenham Stadium). Estes filmes são sobre "como pôr The Joshua Tree na América de hoje", explicou Corbijn à revista Mojo.

As quatro canções com que arranca o concerto - Sunday Bloody Sunday, New Year's Day, Bad e Pride (In the Name of Love) - são tocadas num palco mais pequeno, uma árvore de Joshua que entra pelo relvado de Twickenham, sem imagens no ecrã, remetendo assim para 1987, quando os espetáculos em estádios ainda não usavam a capacidade cénica de hoje. Apresentadas cronologicamente, estas canções de War e The Unforgettable Fire antecipam o álbum de 1987, mas também se inserem na linhagem política da banda irlandesa.

Larry Mullen Jr. é o primeiro a entrar para a bateria, pegando em The Whole of the Moon dos Waterboys (palavra-passe para o início do concerto), e marcando os ritmos com a abertura sincopada de Sunday Bloody Sunday, que serve para os elementos da banda irem chegando ao palco, mas que também serve, como explicou The Edge, "para deixar claro que banda é esta".

Quando arranca a interpretação na íntegra de The Joshua Tree, o ecrã do espetáculo concebido por Willie Williams assume também protagonismo no palco, transportando os cerca de 55 mil presentes para a América de hoje. "É importante para nós que isto não dependa de nenhum tipo de nostalgia. É um olhar fresco sobre estas canções, uma nova forma de as apresentar e aproveitar uma qualquer qualidade intemporal que tenham. Elas parecem ter ganho uma nova vida agora", confessava o guitarrista The Edge à Mojo.

Se ao longo destes 30 anos as canções de Joshua Tree foram ganhando outros contextos e mantendo um olhar fresco sobre a América e o mundo, basta chegar a Bullet the Blue Sky, que nasceu de uma viagem de Bono e da mulher à América Central das guerras civis violentas e dos esquadrões da morte dos anos 80 e que hoje podia ser cantada sobre a Síria.

"A música falava sobre os tempos e sobre o que estava a acontecer na cultura, de uma maneira que não se faz agora. Talvez no hip-hop haja um pouco mais", apontou o guitarrista nas páginas da Q. Ouvindo The Edge, é mais fácil de perceber o que se passa no concerto: Exit e Mothers of the Disappeared são retratos de um mundo que está ainda presente. Ou Miss Sarajevo, já a abrir um encore com sete temas mais recentes dos U2, que acaba por ser uma Miss Síria, Omaima, a jovem refugiada de 15 anos do campo jordano de Zaatari.

Há um verso em In God's Country que ajudou Bono a explicar este Joshua Tree tocado agora na íntegra nos palcos. "We need new dreams tonight." Precisamos de novos sonhos nos tempos que vivemos. Na terça-feira a digressão chega a Barcelona. Nesta noite e amanhã é a vez de Roma sonhar.

Em Londres

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.