"Portugal, Portugueses" com 270 obras de 40 artistas em São Paulo

A exposição "Portugal, Portugueses - Arte Contemporânea" vai reunir 270 obras de 40 artistas portugueses em São Paulo, no Brasil, a partir de quarta-feira, criada como uma aproximação ao universo cultural brasileiro.

De acordo com a organização, a maior mostra de arte contemporânea portuguesa apresentada nos últimos anos naquele país inaugura na quarta-feira, às 19.00 locais (23.00 em Lisboa), no Museu Afro Brasil, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

Com curadoria de Emanoel Araujo, a exposição redesenha, na perspetiva contemporânea, as influências interculturais de Portugal, África e Brasil, nascidas com o antigo império português e aprofundadas durante o esclavagismo.

No museu, entre dezenas de pinturas, esculturas e fotografias, estará a instalação sonora e cinética Coração Independente Vermelho, de Joana Vasconcelos, que reconstrói, em talheres de plástico, as icónicas peças da filigrana portuguesa, associadas a Viana do Castelo e ao culto do Sagrado Coração de Jesus.

No itinerário, estão ainda, entre outros, trabalhos de Helena Almeida e Maria Helena Vieira da Silva, centrais na arte portuguesa no século XX, uma grande instalação de Miguel Palma, e de artistas portugueses radicados no Brasil como Fernando Lemos e Orlando Azevedo.

Haverá três núcleos expositivos especiais na exposição, nomeadamente Homenagem a Bordalo Pinheiro, Africanos portugueses e Brasileiros portugueses.

Portugal Portugueses contará ainda com obras de Albuquerque Mendes, Ana Vieira, Antonio Manuel, Artur Barrio, Ascânio MMM, Cristina Ataíde, Didier Faustino, Fernando Lemos, Francisco Vidal, Gonçalo Pena, João Fonte Santa, João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira, Joaquim Rodrigo, Joaquim Tenreiro, José de Guimarães, José Loureiro, José Pedro Croft, Jorge Molder e Julião Sarmento.

Lourdes Castro, Manuel Correia, Michael de Brito, Miguel Soares, Nuno Ramalho, Nuno Sousa Vieira, Orlando Azevedo, Paula Rego, Paulo Lisboa, Pedro Barateiro, Pedro Cabrita Reis, Pedro Valdez Cardoso, Rui Calçada Bastos, Sofia Leitão, Teresa Braula Reis, Tiago Alexandre, Vasco Araújo, Vasco Futscher e Yonamine são outros dos artistas representados.

A mostra ficará patente até ao dia 8 de janeiro de 2017, constituindo parte da proposta da trilogia desenvolvida pelo curador Emanoel Araujo, responsável por homenagear as principais raízes da cultura brasileira (africana, portuguesa e indígena) à luz de uma leitura contemporânea nas artes visuais.

Esta grande mostra sucede a Africa Africans, eleita pela Associação Brasileira de Críticos de Arte como a melhor exposição do ano de 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.